PT Portugal quer ser líder no segmento da televisão

A PT Portugal quer ser líder no mercado português no segmento da televisão, disse hoje à Lusa um dos trabalhadores que esteve na apresentação do plano estratégico da empresa, feita pelo presidente. “O presidente disse que a empresa pretende ser líder na televisão”, referiu a mesma fonte, já que a PT Portugal lidera no móvel, […]

A PT Portugal quer ser líder no mercado português no segmento da televisão, disse hoje à Lusa um dos trabalhadores que esteve na apresentação do plano estratégico da empresa, feita pelo presidente.

“O presidente disse que a empresa pretende ser líder na televisão”, referiu a mesma fonte, já que a PT Portugal lidera no móvel, fixo, banda larga fixa e na área empresarial, segundo a operadora.

O presidente da PT Portugal, Armando Almeida, reforçou hoje no encontro com cerca de 900 quadros que a liderança, inovação e eficiência operacional são os três pilares da operadora, que está a ser alvo de uma oferta de compra pela Altice.

“Num contexto de fortes mudanças no mercado de telecomunicações que estão a provocar uma alteração do paradigma atual do setor – nomeadamente a diversificação das receitas além da tradicional conetividade -, a PT Portugal pretende responder a estes desafios tornando-se num operador líder focado na convergência, mais ágil e competitivo, e o principal fornecedor de serviços digitais integrado”, apontou Armando Almeida, citado num comunicado da empresa.

“Os portugueses habituaram-se a considerar a PT Portugal como uma empresa líder e esse será um hábito a manter em todos os segmentos. A liderança será feita com base na inovação de produtos e serviços”, acrescentou.

A empresa investiu 2,3 mil milhões de euros nos últimos quatro anos em Portugal.

“É minha convicção que este plano estratégico irá contribuir de forma decisiva para o desenvolvimento do país. Os consumidores e as empresas portugueses podem continuar a contar com a inovação e excelência da PT Portugal por forma a tornar o país mais tecnológico, mais produtivo, mais eficiente e mais competitivo. A PT Portugal quer ser catalisador da economia digital em Portugal”, disse Armando Almeida.

No encontro, que decorreu hoje em Lisboa, foi também anunciado o novo programa de transformação que vai ser uma das mais importantes iniciativas da empresa com o objetivo de criar uma estrutura de custos competitiva.

“O programa de transformação é um conceito totalmente inovador em Portugal e que está na linha da frente dos modelos de transformação das grandes empresas a nível mundial”, afirmou Armando Almeida, que disse não ter dúvida de que isso “ajudará a garantir que as metas previstas para os custos são cumpridas”.

O grupo francês Altice aumentou a oferta para a compra da PT Portugal, dona da Meo e o Sapo, em 375 milhões de euros, para 7.400 milhões, e entrou em negociações exclusivas com a operadora brasileira Oi.

A oferta vinculativa do grupo francês, que assinou um memorando de entendimento com os CTT, é “totalmente financiada” e valoriza “a PT em 7,4 mil milhões de euros em dinheiro e sem dívida”, incluindo “500 milhões de euros relativos à geração futura de receitas” da empresa, adiantou a Altice.

A 03 de novembro, a operadora brasileira Oi, que detém a PT Portugal desde maio, anunciou que a Altice, dona da Cabovisão e da Oni, tinha feito uma proposta para compra dos ativos no valor de 7.025 milhões de euros, deixando de fora o negócio de África.

OJE/Lusa

Recomendadas

Topo da Agenda: O que não pode perder nos mercados e na economia esta sexta-feira

Com a confirmação de um segundo trimestre de crescimento negativo, a Reserva Federal olhará atentamente para os dados do mercado laboral, onde continua a destacar a força e rigidez observada para argumentar contra um cenário de recessão real. Caso os dados de setembro voltem a surpreender pela positiva, como em agosto, e a inflação continue a dar sinais de não abrandar, a possibilidade de subidas ainda mais expressivas do que 75 p.b. deverá ganhar força.

Patrões vão ter majoração em 50% dos custos com aumentos salariais no IRC

No âmbito do acordo de rendimentos, o Governo decidiu propor aos parceiros sociais uma majoração em 50% dos custos com a valorização salarial em IRC. Patrões têm reclamado, note-se, medidas mais transversais.