PTP sugere implementação de inquérito para saídas do Governo da Madeira

O social democrata, Sérgio Marques, acusou Luís Miguel Sousa de ter conseguido afastar Eduardo Jesus do Governo porque este tinha uma agenda para “reformular o porto” e que Avelino Farinha o “consegue afastar das obras públicas. Ele não queria que eu saísse do Governo, ele queria era só afastar-me das obras públicas”.

O PTP sugeriu a implementação de um inquérito para as saídas do Governo da Madeira, depois de Sérgio Marques, atual deputado eleito pelo PSD Madeira para a Assembleia Legislativa da República, ter dito, ao “DN”, que o empresário Avelino Farinha o conseguiu afastar do executivo regional.

Sérgio Marques esteve no executivo regional presidido por Miguel Albuquerque como secretário regional.

“No nosso arquipélago, em vez de um inquérito para a entrada de membros no governo é preciso um para a saída, ao contrário, do que se passa na República. Quando são convidados a abandonar o cargo, normalmente, é porque pisaram os calos dos lobbies que controlam o partido do poder. Nas decisões de quem fica e quem sai, o bom serviço à população é a última coisa a se ter em conta”, considera Raquel Coelho.

“Pena é que os nossos governantes, só abrem a cortina para o que se passa nos bastidores quando são saneados, porque enquanto estão em funções, deixam passar toda a sorte de arbitrariedades que acabam incólumes e impunes”, criticou a dirigente trabalhista.

Em declarações ao “DN” Miguel Sousa e Sérgio Marques admitem “obras inventadas” na Madeira.

Sérgio Marques admitiu também ao “DN” que “esta governação social-democrata” levou a que se afirmassem quatro ou cinco grupos económicos, que acumularam “muito poder”, identificando Sousa, Avelino, Pestana, Trindade e Trindade/Blandy. “E principalmente dois grupos […], o Luís Miguel Sousa, com quem eu trabalhei oito anos, e o Avelino Farinha acho que foram os mais beneficiados da governação regional”, disse à mesma publicação.

O social democrata continua referindo que estes grupos foram “muito protegidos” e cresceram “muito à conta dos negócios” com a região, acrescentando que “acumularam muito poder” e “começaram a condicionar a governação”.

Sérgio Marques acusa Luís Miguel Sousa de ter conseguido afastar Eduardo Jesus do Governo porque este tinha uma agenda para “reformular o porto” e que Avelino Farinha o “consegue afastar das obras públicas. Ele não queria que eu saísse do governo, ele queria era só afastar-me das obras públicas”.

O social democrata acusa também “os grupos viram-se na necessidade de controlar os media regionais”, e admite que quando deixou o Governo “houve ali muito dedo de Alberto João Jardim”.

Raquel Coelho considera que as declarações de Sérgio Marques não surpreendem referindo que na Madeira “brigam as comadres descobrem-se as verdades”.

“Já há muito tempo que o PTP tem vindo a denunciar que a Madeira é controlada pelo poder económico, que põe e dispõe, desavergonhadamente, do governo e do orçamento regional”, diz Raquel Coelho.

Recomendadas

PremiumMadeira: Denúncias de alegadas más práticas na maternidade não chegaram à Ordem

Ordem dos Médicos da Região decidiu não se pronunciar sobre o assunto e o SESARAM optou por não responder. Por sua vez, a Ordem dos Enfermeiros diz não ter recebido queixas.

Governo da Madeira aumenta subsídio de mobilidade para os residentes do Porto Santo

Os preços do transporte marítimo aumentaram, pelo que  Governo Regional revê, agora, o valor do subsídio a atribuir, de modo a absorver esse aumento tarifário, que será de 7,03% para a carga e 7,04% para os passageiros.

PremiumSilêncio depois do terramoto provocado por Sérgio Marques

As declarações de Sérgio Marques levaram à renúncia do mandato como deputado na Assembleia da República. Grupos económicos têm desvalorizado afirmações do social democrata.
Comentários