Inteligência artificial antecipa AVC

A startup Brainomix desenvolveu um software que diagnostica um possível acidente vascular cerebral através de Inteligência Artificial. 

 

Até agora, para fazer o diagnóstico de um possível Acidente Vascular Cerebral era necessário a análise de um radiologista a exames cerebrais. A empresa britânica Brainomix desenvolveu um sistema que permite fazer esta análise através de inteligência artificial. 

Batizado e-Stroke, o sistema analisa, de forma autónoma, imagens dos exames ao cérebro para traçar um diagnóstico em tempo real. Desta forma, os médicos neurologistas podem intervir mais rápido.

Ao acelerar a avaliação inicial de pacientes com sintomas de AVC, o e-Stroke aumenta significativamente as hipóteses de um paciente sair do hospital sem efeitos secundários. 

Neste momento, o software está a ser utilizado por cinco redes de hospitais no Reino Unido. De acordo com o ministério da saúde britânico, o número de pacientes com suspeita de AVC que saíram do hospital sem nenhuma incapacidade ou com com uma incapacidade ligeira triplicou.

A Brainomix desenvolveu também uma aplicação móvel que permite aos médicos aceder aos resultados dos exames e onde podem também trocar opiniões com outros colegas na avaliação dos casos.

 

Artigo original publicado em SuperToast by INSTINCT.
Também disponível em Newsletter e Podcast.

Recomendadas

Pilotos atacam Galamba e dizem que ministro “não está preparado para ter em mãos dossiê TAP”

O porta-voz dos pilotos lembrou que a pasta da TAP é “muito importante para ser tratado de forma leviana como foi por uma figura do Estado”.

Tesla dispara na bolsa depois de resultados recorde de 2022

Ao fecho das negociações em Wall Street, cada ação da Tesla estava avaliada em 177,90 dólares, mais 17,63 dólares do que no dia anterior. Isso fez com que a empresa encerrasse a semana numa valorização de 33% face à semana anterior
Supremo Tribunal de Justiça

Supremo Tribunal de Justiça alerta para campanha de ‘phishing’ que usa logótipo do STJ

De acordo com as boas práticas e de forma a não ser vítima de ‘phishing’, o STJ recomenda, assim, que os utilizadores de plataformas digitais nunca acedam a links ou anexos de emails que se vislumbrem desconhecidos ou suspeitos.
Comentários