Puigdemont admite voltar se for “respeitado resultado” das eleições regionais

O número um da candidatura do Junts per Catalunya (JxCat), Carles Puigdemont, disse que deverá voltar à Catalunha se “for respeitado o resultado” das eleições de quinta-feira, e os eleitores recusarem o artigo 155.º da Constituição.

Yves Herman/Reuters

Numa entrevista publicada hoje pelo jornal La Vanguardia, Puigdemont, que fugiu à justiça espanhola na Bélgica, após a declaração unilateral de independência, apontou que “não é possível que as ideias que te fazem presidente te levem à prisão”.

“Se o 155 foi rejeitado nas urnas, deverei voltar” à Catalunha, garantiu Puigdemont, numa referência às eleições regionais da próxima quinta-feira, convocadas por Madrid.
Puigdemont considerou que foi destituído pelo presidente do Governo central, Mariano Rajoy – no âmbito da aplicação do artigo 155.º -, mas apenas o parlamento regional “pode nomear ou destituir um presidente”, pelo que considera que continua a ser o chefe do executivo catalão.

Numa intervenção, através de videoconferência, numa ação em Sant Celoni (Barcelona), o cabeça de lista do JxCat defendeu que “qualquer coisa que se afaste do ‘Govern’ e do ‘parlament’ legítimo é legalizar o 155”, pedindo aos catalães que usem as urnas para restituir o Governo cessado a que presidia.

Se “ganhar” o presidente do Governo de Madrid, “será ele quem mandará”, porque a Catalunha terá “autorizado e branqueado o seu golpe de Estado”, através da aplicação do artigo 155.º.
Puigdemont também apelou à construção de “um país melhor”, em forma de uma “república grande, livre, próspera e democrática”.

O número um do JxCat sublinhou que as eleições servirão para escolher entre construir “um país menor”, que é o que querem os que – disse – pretendem “menorizar e assustar” os que desejam a independência, e aqueles que querem “um país melhor”, no qual “todos possam progredir”, sem que se “liquide quem pense de forma diferente”, nem que “se envie ninguém para o exílio”.

Numa reportagem hoje publicada pelo semanário francês Le Journal du Dimanche, a mãe de Puigdemont, Núria Casamajo, disse que o seu filho não lhe telefona a partir de Bruxelas, o que a mulher explica, porque “está a fazer coisas”.

“Não me liga. Mas não faz mal. É porque está a fazer coisas”, disse a mãe do antigo presidente catalão. Também a mulher de Carles Puigdemont, Marcela Topor, comenta que as condições de vida na Bélgica “são duras”. “É difícil para ele, não conhece muitas pessoas. Mas continua a ser forte e positivo”, disse.

As eleições regionais de 21 de dezembro foram convocadas pelo chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, em 27 de outubro passado, no mesmo dia em que decidiu dissolver o parlamento da Catalunha e destituir o executivo regional presidido por Carles Puigdemont, no âmbito da aplicação do artigo 155.º da Constituição.

Várias sondagens publicadas esta sexta-feira indicam que os partidos constitucionalistas estão à frente nas intenções de voto, mas os independentistas ganham em número de lugares, sem nenhum dos blocos ter maioria absoluta.

O partido Cidadãos (constitucionalista, direita liberal) aparece nos estudos de opinião como o mais votado (23-25%), seguido de perto pela Esquerda Republicana da Catalunha (ERC, independentista, esquerda moderada, 20-23%) que poderia eleger mais deputados, porque a lei eleitoral dá mais peso a províncias dominadas pelos independentistas.
Os partidos separatistas ganharam as últimas eleições regionais, em 2015, com 72 deputados, num total de 135 no parlamento regional, o que lhes permitiu formar um Governo que organizou um referendo de autodeterminação em 01 de outubro último, que foi considerado ilegal pelo Estado espanhol.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários