Puigdemont quer governar a Catalunha a partir da Bélgica. “Absurdo”, diz Rajoy

O primeiro-ministro espanhol considerou hoje “absurdo” o presidente catalão destituído Carles Puigdemont querer governar a Catalunha a partir da Bélgica, onde se refugiou para evitar ser detido em Espanha.

“É absurdo pretender ser presidente de uma região vivendo no estrangeiro e ainda mais absurdo pretender exercer essas funções a partir do estrangeiro”, disse Rajoy, uma semana depois de os partidos independentistas terem obtido a maioria no parlamento regional catalão.

Rajoy, que falava numa conferência de imprensa de balanço do ano, insistiu que Puigdemont exercer a presidência da Generalitat (governo regional catalão) no estrangeiro não é um problema jurídico mas uma questão de “senso comum”.

O primeiro-ministro de Espanha frisou que, legalmente, qualquer pessoa pode ser candidata desde que não tenha sido inabilitada por uma sentença transitada em julgado, mas assegurou que ele nunca proporia candidatar alguém “que fugiu à Justiça espanhola”.

“Imaginem que eu estava instalado em Lisboa”, ironizou, pedindo que se recupere “a sensatez” e o “senso comum” na Catalunha.

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quarta-feira

O INE divulga hoje as estatísticas de rendas da habitação ao nível local no segundo trimestre do ano, os inquéritos de conjuntura às empresas e aos consumidores deste mês e ainda as estimativas mensais de emprego e desemprego referentes ao mês de agosto. Nos EUA, faz-se inventário ao crude, aos destilados e aos combustíveis.

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.
Comentários