Putin acusa EUA de aumentar o risco de uma guerra nuclear

Durante uma conferência de imprensa, o presidente russo referiu que os Estados Unidos estão continuamente a promover a ideia de um ambiente pouco seguro, e que a saída de Washington dos tratados de controlo de armas apenas aumenta o risco de uma guerra nuclear.

Reuters

O presidente russo, Vladimir Putin , alertou esta quinta-feira, 20 de dezembro, que se os principais acordos de controle de armas nucleares não forem implementados, o mundo poderá enfrentar uma situação “muito perigosa”.

“Infelizmente, há uma tendência para subestimar a possibilidade de uma guerra nuclear, e essa tendência está a aumentar cada vez mais”, disse Putin, durante uma conferência de imprensa, citado pelo ”El País”.

O presidente russo acusou os Estados Unidos de aumentarem o risco de choque nuclear com a sua decisão de saírem do tratado bilateral para o controlo de armas nucleares de curto e médio alcance , e afirmou que Washington parece ter intenções de sair de acordos semelhantes. Essas decisões, segundo chefe de Estado russo, levam o mundo a ”um precipício”.

Mas entre comentário e comentário, a mensagem foi clara. ” Estamos a testemunhar uma desintegração do sistema de controle de armas”, disse Putin. “E há uma tendência para reduzir o limiar para o uso de [armas nucleares]. Mas essa redução poderá levar a uma catástrofe nuclear global “, ressaltou o presidente, que admitiu que a Rússia desenvolveu armas nucleares que podem dar-lhe uma vantagem sobre outros países, alimentando assim o medo de uma situação sem retorno.

“O Novo Início [outro tratado bilateral que limita o número de mísseis nucleares estratégicos e de ogivas nucleares da Rússia e dos EUA] expira em 2021. E ainda não temos negociações em andamento. Não querem falar sobre isso? Não estão interessados? Bom está bem. Estaremos seguros, sabemos como nos proteger “, disse Putin.

Putin continuou a acusar os Estados Unidos de promoverem a ideia de que o mundo está a tornar-se cada vez menos seguro, dizendo que “é difícil imaginar o que vai acontecer. Se esses mísseis [norte-americanos] estiverem localizados na Europa, teremos que garantir a nossa segurança “, ameaçou o presidente russo, que já teria indicado em ocasiões anteriores que, se isso viesse a acontecer que a Rússia responderia “de maneira simétrica “.

Contudo, Putin, que enfatizou a importância de normalizar as relações com Trump , também disse que Washington está  a considerar o uso de mísseis balísticos com ogivas convencionais. O lançamento de um míssil desse tipo poderia ser confundido com um míssil nuclear, explicou, algo que poderia causar uma catástrofe global. “Se isso acontecer, pode significar a destruição de toda a civilização e até mesmo o fim do nosso planeta”, disse tentando alertar a audiência.

“Espero que a humanidade tenha bom senso e senso de autopreservação suficientes para não levar as coisas a tais extremos”, finalizou.

Relacionadas

Coreia do Norte: Desnuclearização em troca do fim da “ameaça nuclear dos EUA”

Qualquer acordo para que a Coreia do Norte abandone o seu arsenal nuclear deve incluir “remover completamente as ameaças nucleares dos EUA”, informou a comunicação social norte-coreana na quinta-feira, numa das mais claras explicações de como a Coreia do Norte olha para o processo de desnuclearização.

Parlamento discute ratificação do Tratado de Proibição de Armas Nucleares

Filipe Nuno Gouveia Ferreira, autor da petição que vai ser discutida esta quarta-feira, defende que as armas nucleares são a maior ameaça à humanidade e que a única forma de eliminar esta ameaça é garantir que “as armas nucleares nunca mais serão usadas em nenhuma circunstância”.

Respostas Rápidas: Porque é que a Rússia está a ser acusada de violar o tratado de armas nucleares?

A NATO voltou a acusar na terça-feira a Rússia de ter violado o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (NIF), ameaçando a segurança euro-atlântica. Saiba o que está em causa.
Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.
Comentários