Putin agradece a Trump informações que impediram ato terrorista na Rússia

O Presidente russo agradeceu este domingo ao seu homólogo dos Estados Unidos, Donald Trump, as informações norte-americanas que permitiram à Rússia impedir ataques terroristas no seu território, informou o Kremlin.

“Vladimir Putin agradeceu a Donald Trump pela comunicação, através dos serviços de inteligência, de informações que permitiram impedir a realização de atos terroristas na Rússia”, anunciou a presidência russa em comunicado, sem especificar a natureza dessas informações.

Após esta comunicação, os serviços de segurança russos (FSB), citados pelas agências russas, indicaram que as autoridades russas detiveram na sexta-feira dois cidadãos russos suspeitos de quererem realizar um ataque em São Petersburgo, em “lugares muito frequentados” durante as celebrações do Ano Novo.

O FSB esclareceu que as detenções foram realizadas “com base em informações recebidas anteriormente” pelos parceiros norte-americanos.

“As pessoas detidas tinham provas que atestam a preparação de um ato terrorista”, acrescentaram os serviços de segurança russos, que anunciaram também a abertura de uma investigação.

Apesar do antagonismo em muitas questões internacionais, Moscovo e Washington destacam regularmente o desejo mútuo de combater o terrorismo através da troca de informações.

Recomendadas

Itália. Encontrar ministros ‘aceitáveis’ pelo Presidente será desafio para Meloni

Vencedor das eleições de domingo à frente de uma coligação de direita e extrema-direita que poderá ter a maioria dos lugares parlamentares, o partido Irmãos de Itália “cresceu, mas a classe dominante permaneceu a mesma do que quando pesava 1%” dos votos, disse à Lusa Francesco Costa, diretor do site de notícias Il Post e especialista em política internacional.

Ex-governante dos EUA Mike Pompeo diz que acabou era da “cooperação cega” com China

“Se queremos um século XXI livre, não o século chinês, aquele com que [o Presidente da China] Xi Jinping sonha, o velho paradigma da cooperação cega deve acabar”, afirmou, num fórum económico em Kaohsiung.

União Europeia e NATO concordam emitir nova declaração conjunta

Num encontro mantido ontem, Ursula von der Leyen e Jens Stoltenberg falaram sobre a agressão russa contra a Ucrânia e sobre o aumento do apoio a este país, para além da cooperação entre Bruxelas e a aliança atlântica, de acordo com o que partilharam nas suas redes sociais.
Comentários