Putin: Europa deve agradecer à Turquia por poder comprar gás russo

O presidente russo, Vladimir Putin, elogiou esta sexta-feira o projeto do gasoduto TurkStream, dizendo que a Europa deveria estar grata à Turquia pelo fornecimento ininterrupto de gás russo. Putin está reunido com o presidente da Turquia.

O presidente russo, reunido em Sochi com o seu homólogo turco, Recep Erdogan, disse, segundo a imprensa da Turquia, que a Europa deve estar grata à Turquia pela manutenção do fornecimento ininterrupto de gás russo.

O comentário de Putin surgiu antes do início da reunião na estância balnear russa do Mar Negro – que tinha na agenda as relações bilaterais e regionais, a guerra na Ucrânia e o acordo sobre a exportação de cereais ucranianos patrocinado pela Turquia.

O TurkStream liga a Rússia à Turquia através do Mar Negro e posteriormente (em terra) ao sul da Europa. Começada a construir no início de 2020, a estrutura fazia parte dos esforços de Moscovo para reduzir os envios via Ucrânia. O gasoduto tem uma capacidade anual de 31,5 mil milhões de metros cúbicos (bcm) e duas linhas offshore de 930 quilómetros que se separam na sua componente terrestres, uma com 142km e outra com 70 Km. A primeira linha, com capacidade de 15,75 bcm, destina-se ao fornecimento dos clientes domésticos da Turquia, enquanto a segunda transporta gás russo para a Europa através da Bulgária.

O gás natural russo representou 45% das compras de gás da Turquia no ano passado, altura em que atingiu um nível recorde.

A reunião de sexta-feira segue-se a outro encontro entre ambos há três semanas, no Irão, a propósito da Síria. Poucos dias depois desse encontro, a Turquia ajudou a intermediar acordos (indiretos) entre Moscovo e Kiev, abrindo caminho para a Ucrânia exportar 22 milhões de toneladas de grãos e outros produtos agrícolas.

Ainda antes do encontro, Putin agradeceu a Erdogan por ajudar a negociar os acordos, comentando a sua importância para muitos países. “É uma aguda para muitos países em desenvolvimento, que enfrentam grandes problemas com alimentos e fertilizantes”, disse, citado pelas mesmas fontes.

A Turquia depende fortemente da Rússia e da Ucrânia para conseguir colmatar as suas necessidades de cereais: a Rússia responde por 56% das importações turcas daquela commoditie em 2021, que custaram 2,24 mil milhões de dólares – enquanto as importações da Ucrânia totalizaram 861 milhões.

Por seu turno, e também antes do encontro, Erdogan disse que as negociações demonstram a importância “que a Turquia e a Rússia desempenham na região” e que o encontro em Sochi abrirá “abrirá um capítulo totalmente diferente nas relações turco-russas”.

Segundo dados avançados pela imprensa turca, o comércio bilateral cresceu para o dobro nos primeiros cinco meses do ano em comparação com o mesmo período do ano passado – refletindo o foco crescente de Moscovo nos laços com a Turquia, país da NATO, enquanto enfrentava as sanções ocidentais.

A intenção do encontro é aumentar os laços económicos entre as duas partes. Mas há mais: a agência atómica russa (Rosatom) está a construir a primeira instalação nuclear da Turquia, em Akkuyu, que deverá fornecer até 10% das necessidades de energia do país. O contrato de construção ascende a 20 mil milhões de dólares e prevê que os russos explorem as instalações durante várias décadas. Alguns meios turcos têm-se queixado da fraca componente nacional do projeto.

Recomendadas

Cinco conglomerados chineses deixam “voluntariamente” Bolsa de Nova Iorque

As petrolíferos Sinopec e PetroChina, a subsidiária da Sinopec com sede em Sangai, a seguradora China Life Insurance e a gigante de alumínio Chalco figuram na lista da SEC, regulador do mercado norte-americano, ameaçadas de expulsão de Wall Street no caso de não cumprimento dos novos requisitos de auditoria.

PremiumPrimeiro-ministro assume postura de moderação

Um objetivo politicamente aceitável e o fim da intervenção militar em Gaza mal esse objetivo foi alcançado e antes que se tornasse incontrolável. A poucos meses das eleições, Yair Lapid não abre mão da segurança, mas quer ser diferente.

Angola vai a votos dia 24. Eleitores residentes fora do país podem votar pela primeira vez

Nestas quintas eleições da história participam sete partidos e uma coligação e além da primeira participação de dois partidos, o Partido Humanista (PH) e o Partido Nacionalista da Justiça em Angola (P-Njango).
Comentários