Putin promove armas russas usadas “em condições reais” de combate (com áudio)

Moscovo “defende o desenvolvimento de uma cooperação técnico-militar o mais ampla e multilateral possível”, referiu Putin, que convidou os aliados da Rússia a participarem em manobras militares conjuntas com as forças russas.

Alexei Nikolskyi/Kremlin via Reuters/SPUTNIK

O Presidente russo, Vladimir Putin, elogiou esta segunda-feira junto de países aliados o armamento de fabrico russo, alegando que foi utilizado “em condições reais de combate”.

“A Rússia está disposta a oferecer aos seus aliados e parceiros o armamento mais moderno, desde armas de fogo até artilharia, blindados, aviação de combate e drones”, disse Putin ao inaugurar um salão internacional de armamento, o “Armia-2022”, que decorre na região de Moscovo.

Putin afirmou que a Rússia tem “muitos aliados” e destacou em particular “os laços historicamente fortes, amigáveis e de confiança com os países da América Latina, Ásia e África”.

Também sublinhou que esses países “não se submetem ao chamado poder hegemónico, os seus líderes mostram autêntico caráter e não se subordinam” a ninguém, já que apostam num desenvolvimento soberano e em solucionar coletivamente os problemas da segurança regional e global com base no direito internacional.

“Dessa forma, contribuem para a defesa de um mundo multipolar”, referiu o Presidente russo, dirigindo-se a militares de diferentes países e na presença do ministro da Defesa, Serguei Shoigu.

O chefe do Kremlin salientou que “praticamente todo” o armamento que a Rússia quer exportar “foi utilizado repetidamente em condições reais de combate”.

“Muitas dessas armas estão à frente anos ou mesmo décadas de outras idênticas de fabrico estrangeiro”, assinalou, em alusão ao armamento hipersónico que, segundo Moscovo, pode superar qualquer escudo antimíssil.

Moscovo “defende o desenvolvimento de uma cooperação técnico-militar o mais ampla e multilateral possível”, referiu Putin, que convidou os aliados da Rússia a participarem em manobras militares conjuntas com as forças russas.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários