Putin quer evitar novos homicídios e ordena reforço da segurança

O Presidente russo ordenou o reforço das medidas de segurança na Rússia e no estrangeiro, na sequência do homicídio do embaixador russo em Ancara por um elemento das forças policiais turcas.

“Peço aos serviços especiais para tomarem medidas adicionais para garantir a segurança no interior da Rússia e no estrangeiro, para aumentar a segurança das organizações russas no estrangeiro e dos seus colaboradores”, declarou Putin, citado pelas agências noticiosas russas.

O chefe de Estado russo pediu igualmente aos serviços secretos russos para intensificarem a cooperação com os seus homólogos estrangeiros.

“Peço igualmente que intensifiquem o trabalho com os serviços secretos estrangeiros”, acrescentou Putin, numa intervenção diante dos responsáveis dos vários serviços de informação russos.

Relacionadas

Homicídio do embaixador russo na Turquia: já há seis detidos

Forças de segurança turcas detiveram seis pessoas no âmbito do homicídio do embaixador russo Andrey Karlov na capital turca. Um grupo de 18 investigadores, agentes dos serviços secretos e diplomatas russos chegam hoje ao país para investigar o sucedido.

Embaixador russo morto a tiro exigiu pedido de desculpas turco há um ano

“Por Aleppo”, os gritos do atirador que assassinou o Embaixador russo, na Turquia, ganham agora novos contornos. Há exatamente um ano atrás, o Andrey Karlov fez declarações sobre a situação síria.
Recomendadas

Eleições do Brasil: Lula recupera e segue na frente com 70% dos votos contados

A segunda volta parece cada vez mais forte numa altura em que os dois candidatos estão taco a taco nos 45%, mas com Lula da Silva, do PT, a tomar a dianteira.

Eleições do Brasil: Bolsonaro mantém-se na liderança com 50% dos votos contados

A segunda volta é cada vez mais certeira, quando a contagem dos votos prossegue e a distância entre os dois principais candidatos à Presidência do Brasil diminui.

Eleições do Brasil: Primeiros números oficiais dão liderança a Bolsonaro sem maioria absoluta

Às 21h30, pouco mais de 1% dos votos válidos estavam contados. Em Lisboa, as urnas fecharam pelas 20:00, após o encerramento ser prolongado devido à forte afluência.
Comentários