Putin tem esperança de acordo com Ucrânia mas insiste na retórica de sempre frente a Guterres

Putin disse que as negociações recentes em Istambul produziram “avanços” interrompidos pelo que considerou uma “provocação” da parte da Ucrânia ao acusar o Kremlin de genocídio, acrescentando que “o exército russo não tinha nada a ver com isso”. Em relação a Mariupol, acusou os militares ucranianos de usarem civis como escudos humanos.

Vladimir Putin reafirmou ao secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, as justificações que levaram a Rússia a invadir a Ucrânia e disse que espera poder chegar a acordos “por meio de um canal diplomático” embora elas tenham sido interrompidas após os relatos de atrocidades contra civis na cidade ucraniana de Bucha, segundo a “BBC”.

Após a reunião em Moscovo, Putin disse que as negociações recentes em Istambul produziram “avanços” interrompidos pelo que considerou uma “provocação” da parte da Ucrânia ao acusar o Kremlin de genocídio, acrescentando que “o exército russo não tinha nada a ver com isso”.

O chefe de Estado disse que as negociações com a Ucrânia vão continuar em formato online e espera que produzam um resultado positivo.

Em relação à situação em Mariupol, que descreve como “complicada e trágica”, garante que não há mais operações militares russas na cidade sitiada depois de acusações da Ucrânia de que a Rússia está a bombardear um corredor humanitário.

Putin acusou os militares ucranianos de usarem civis como escudos humanos na fábrica de Azovstal e disse que “a coisa mais fácil a fazer é libertá-los”, de acordo com o “The Guardian”. A “BBC” adianta que não viu evidências para apoiar a alegação.

Recomendadas

CEO da Microsoft destaca plataforma para ajudar a Ucrânia criada por português

Satya Nadella diz que o “Ukraine Live Aid”, para prestar apoio aos refugiados ucranianos, foi um dos trabalhos “significativos” e “muito necessários” que feitos com as Power Pages da Microsoft.

Ocidente deve ser mais brando com a Rússia e a Ucrânia deve ceder, defende Kissinger

Segundo o ex-secretário de Estado dos EUA, os líderes europeus não devem perder de vista o relacionamento de longo prazo com a Rússia, nem devem arriscar empurrá-la para uma aliança permanente com a China. O antigo campeão de xadrez Garry Kasparov disse que essa posição, para além de imoral, foi provada errada repetidamente.

Mais de 200 corpos encontrados em cave de Mariupol

Informação foi avançada por Petro Andryushchenko, conselheiro do presidente da câmara de Mariupol.
Comentários