Qatar assina contrato para fornecer gás à China por 27 anos

 O Qatar anunciou hoje a assinatura de um acordo de compra e venda de quatro milhões de toneladas por ano de gás natural liquefeito (GNL) com a China por um período de 27 anos, informou a agência estatal QNA.

“A empresa de petróleo e gás, Qatar Energy, assinou um acordo de compra e venda com a China Petroleum and Chemical Corporation (Sinopec) para fornecer quatro milhões de toneladas de gás natural liquefeito por ano”, disse o ministro de Assuntos Energéticos, Saad Al Kaabi, numa conferência de imprensa citada pela agência.

Este é considerado o contrato mais longo da história da indústria de gás liquefeito, afirmou o ministro, indicando que “o acordo abre um novo capítulo na relação com a Sinopec Corporation”.

O acordo vai entrar em vigor em 2026, mas em março de 2021 a Qatar Energy já tinha alcançado um acordo similar com a Sinopec para fornecer dois milhões de toneladas de GNL por ano à China por um período de 10 anos, o que na época era o contrato mais longo.

O Qatar é um dos países com maiores reservas de gás natural do mundo.

Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.
Comentários