Catar enfrenta críticas sem precedentes por organizar o Mundial de futebol, diz o Emir

De acordo com o monarca catari, foram lançadas calúnias, que levaram “muitas pessoas a questionarem as verdadeiras razões e motivos por trás da campanha.”

O Catar enfrenta um clima de críticas sem precedentes por ser o anfitrião do Campeonato do Mundo de seleções de futebol, de acordo com as palavras do Emir daquele país, o Sheikh Tamim bin Hamad al-Thani. As primeiras críticas foram construtivas, mas entretanto foram proferidas calúnias, referiu, citado pela “Reuters”.

Para o monarca catari, a onda de julgamentos da sociedade gerou “invenções e critérios dúbios que foram tão ferozes que infelizmente levaram muitas pessoas a questionarem as verdadeiras razões e motivos por trás da campanha.”

O evento está envolto em grandes polémicas, nomeadamente pela falta de condições de saúde e segurança dos trabalhadores, que já resultaram na morte de 6.500 pessoas, de acordo com estimativas. A supressão de direitos das mulheres, por exemplo, é também uma problemática bastante presente.

O Catar espera receber 1,2 milhões de pessoas no âmbito do evento. Localizado no golfo pérsico, é o primeiro país do médio oriente a receber um mundial de futebol, a realizar-se entre os dias 20 de novembro e 18 de dezembro.

Recomendadas

Mundial2022: “Já provámos que podemos vencer Portugal”, diz selecionador suíço

O selecionador Murat Yakin expressou hoje a vontade de ver a Suíça ser dominante frente a Portugal, nos oitavos de final do Mundial2022 de futebol, e lembrou que os helvéticos já mostraram capacidade para poder vencer os lusos.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Cristiano Ronaldo na Arábia Saudita pode obrigar clubes europeus a aumentar salários, prevê DBRS (com áudio)

A previsão da agência de notação de crédito coloca sob pressão imediata os clubes da MLS (liga de futebol norte-americana) mas não exclui a possibilidade de obrigar os emblemas europeus a aumentar salários, algo que contraria as regras da UEFA no sentido de limitar os gastos dos clubes. Imprensa espanhola dá como certa a transferência do português para a Saudi Pro League já a 1 de janeiro de 2023.
Comentários