Qual a empresa que menos cobra numa fatura de luz para casal com filhos? ERSE responde

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) concluiu hoje que, entre julho e setembro deste ano, a oferta comercial de eletricidade mais barata era da Endesa, com um custo anual de 822 euros para um casal com dois filhos.

De acordo com o mais recente Boletim de Ofertas Comerciais do Mercado Retalhista de Eletricidade da ERSE, relativo ao terceiro trimestre deste ano, “a oferta comercial mono eletricidade com menor fatura anual é da Endesa, com um valor de 822 euros/ano” para um casal com dois filhos e com um consumo anual de 5.000 kWh.

Na publicação, o regulador, que vai começar a publicar este tipo de análises trimestralmente para informar os consumidores, acrescenta que “o diferencial desta oferta em relação à oferta comercial mono eletricidade mais cara é de menos 174 euros/ano (-17%)”.

No que toca à tarifa transitória simples, a poupança verificada é de 116 euros por ano, enquanto na tarifa bi-horária está em causa uma diferença de 78 euros por ano.

Conjugando a luz com o gás natural, a ERSE aponta que, mais uma vez, a Endesa é a empresa comercializadora mais barata, com valores que rondam também os 822 euros por ano, e que, face à opção mais cara, representam uma poupança anual de 116 euros (menos 12%).

Também nesta opção se verificam vantagens face a outras empresas, com faturas inferiores em 116 euros por ano na tarifa transitória simples e em 76 euros na tarifa bi-horária.

Aludindo a outros tipos de consumidores, a ERSE refere que, tanto no caso de um casal sem filhos com um consumo anual de 1.900 kWh como de um casal com dois filhos que gasta 10.900 kWh por ano, a Endesa continua a apresentar os preços mais baratos.

No primeiro caso, do casal sem filhos, a fatura anual de eletricidade ou de eletricidade e gás é de 329 euros, menos 70 euros por ano (17%) ou menos 46 euros por ano (12%), respetivamente, do que a opção de mercado mais cara.

Tanto na oferta comercial mono como na dual, a poupança é de 44 euros por ano na tarifa transitória simples e de 28 euros por ano na tarifa bi-horária, aponta o regulador.

Já no caso de um casal com dois filhos, a fatura anual de eletricidade ou de eletricidade e gás é de 1.765 euros, menos 308 euros por ano (15%) ou menos 261 euros por ano (13%), respetivamente, do que a oferta mais cara.

Em ambos os casos, a tarifa transitória simples representa uma poupança 194 euros por ano (10%) face à opção mais cara, à semelhança da tarifa bi-horária, na qual é possível poupar 261 euros (13%).

A ERSE nota que o número de comercializadores e de ofertas comerciais tem vindo “a aumentar significativamente” desde a liberalização do setor elétrico, em 2006, existindo atualmente entre 125 a 129 ofertas, tendo em conta o perfil de consumidor.

Existem ainda 17 empresas que comercializam eletricidade e sete que disponibilizam luz e gás natural.

Além da Endesa, a EDP Comercial tem estas duas opções, entre outras companhias.

Na quinta-feira, a ERSE alertou para a “má prática”, que confunde o consumidor, quando os comercializadores dizem que a eletricidade vai ser atualizada na sequência das novas tarifas de acesso às redes definidas pelo regulador.

O regulador esclareceu que apenas fixa as tarifas para o mercado regulado, que vão ter uma redução de 0,2% em 2018, e que, no mercado livre, “a decisão de redução ou aumento é uma estratégia comercial do seu fornecedor”.

Entretanto, a EDP Comercial informou que em 2018 as tarifas para os seus clientes vão subir em média 2,5%, justificando aos clientes que isso se deve à “publicação das novas tarifas de acesso às redes pela ERSE e à atualização dos custos de energia”.

Recomendadas

Topo da Agenda: O que não pode perder nos mercados e na economia esta sexta-feira

Com a confirmação de um segundo trimestre de crescimento negativo, a Reserva Federal olhará atentamente para os dados do mercado laboral, onde continua a destacar a força e rigidez observada para argumentar contra um cenário de recessão real. Caso os dados de setembro voltem a surpreender pela positiva, como em agosto, e a inflação continue a dar sinais de não abrandar, a possibilidade de subidas ainda mais expressivas do que 75 p.b. deverá ganhar força.

Patrões vão ter majoração em 50% dos custos com aumentos salariais no IRC

No âmbito do acordo de rendimentos, o Governo decidiu propor aos parceiros sociais uma majoração em 50% dos custos com a valorização salarial em IRC. Patrões têm reclamado, note-se, medidas mais transversais.

Governo propõe reforço do IRS Jovem. Isenção sobe para 50% no primeiro ano

Jovens vão passar a ter um desconto fiscal maior, no início da sua carreira. IRS Jovem passará a prever uma isenção de 50%, em vez de 30%, no primeiro ano.
Comentários