Quanto ganha no mínimo um europeu? Portugal na ‘cauda’ da Europa

Portugal e Espanha vão aumentar o salário mínimo em 2018, ainda assim os números ficam muito longe do que é pago nos países mais desenvolvidos.

O Salário Mínimo Nacional vai aumentar para 580 euros a partir de janeiro de 2018, o que representa uma subida de 23 euros face aos atuais 557 euros. Apesar do aumento de 4,1%, Portugal continuará a na cauda da Europa. Pior mesmo só nos países do antigo bloco de Leste e na Turquia.

Portugal não está sozinho. A Grécia e a Espanha figuram igualmente no grupo dos países com remuneração mínima muito inferior à que é paga nos países desenvolvidos. Em Espanha, governo e parceiros sociais assinaram às portas do Natal um acordo para aumento do salário mínimo para 850 euros em 2020. Atualmente nos 707,6 euros, o mínimo subirá, no próximo ano, para 735,9 euros, em 14 pagamentos.

Na Europa, o Luxemburgo é campeão, pagando 1.998,6 euros mínimos. Na Alemanha , a remuneração mínimo é de 1.498 euros, em França de 1.480, euros, na Bélgica de 1.562,6 euros e na Irlanda de 1.563 euros.

Na cauda do pelotão está a Bulgária com uns escassos 235,2 euros. Fora dos fronteiras da União Europeia, os números são ainda mais magros, com a Moldávia abaixo de todas as fasquias: 46,6 euros.

 

 

Relacionadas

Salário minimo em Espanha passará para 850 euros em 2020

O Presidente do Governo espanhol, Mariano Rajoy, disse hoje que o Executivo e os parceiros sociais assinaram um acordo sobre o aumento do salário mínimo nacional.

O mapa dos aumentos do salário mínimo na Europa

O aumento do salário mínimo, entre 2016 e 2017, em Portugal está em linha com a tendência de crescimento dos salários mínimos na União Europeia. Contudo, continua entre os países com o salário mínimo mais baixo, quer da UE quer da Zona Euro. Entre os vinte e dois países com salários mínimos, quinze registaram maiores aumentos entre 2016 e 2017 do que entre 2015 e 2016. Os mecanismos para a fixação do SM são diferentes entre os vários países, variando consoante o papel do Governo e de outros atores, assim como a frequência da actualização.
Recomendadas

Portugal com maior subida de carga fiscal na OCDE. “Não é uma liderança que nos orgulha”, afirma Marques Mendes

O comentador apontou o facto de que em 2010, a carga fiscal nacional correspondia a 30,4% do PIB e onze anos depois subiu para 35,8%. “Está claramente acima da média da OCDE que está neste momento nos 34,1%”, referiu.

Bruxelas com resposta adequada às “distorções” da lei da inflação nos EUA

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, prometeu este domingo uma resposta “adequada e bem calibrada” para mitigar as “distorções” da lei norte-americana para a redução da inflação.

Conferência “Poupar e Investir para um Futuro Melhor” a decorrer em Lisboa, com o apoio do Jornal Económico

A conferência é organizada pela Optimize Investment Partners, sociedade gestora portuguesa que disponibiliza uma gama de soluções de investimento para diversos perfis de risco e objetivos. Moderada por Nuno Vinha, subdiretor do Jornal Económico, consiste numa palestra de 30 minutos de cada um dos quatro oradores, um coffee break e uma mesa redonda com espaço para perguntas e respostas e interação com a plateia.
Comentários