Quanto vale o Candy Crush? 5,3 milhões de euros

O grupo norte-americano Activision Blizzard irá pagar 5.300 milhões de euros pela empresa britânica King Digital Entertainment, proprietária do popular jogo para telemóveis Candy Crush. A operação é a maior no setor tecnológico no Reino Unido nos últimos anos e uma das mais relevantes no setor dos jogos. Há um ano, a Microsoft pagou 2.500 […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O grupo norte-americano Activision Blizzard irá pagar 5.300 milhões de euros pela empresa britânica King Digital Entertainment, proprietária do popular jogo para telemóveis Candy Crush.

A operação é a maior no setor tecnológico no Reino Unido nos últimos anos e uma das mais relevantes no setor dos jogos. Há um ano, a Microsoft pagou 2.500 milhões de dólares pela empresa sueca Mojang, criadora de outro popular jogo, Minecraft.

O acordo converte a Activision num gigante do setor, com mais de 500 milhões de utilizadores ativos mensais em 200 países. “Excluindo o YouTube e o Facebook, não existe outra rede social com mais utilizadores que o Candy Crush”, declarou Bobby Kotick, conselheiro-delegado da Activision.

A compra da King Digital Entertainment permite à Activision entrar em pleno no rentável e cada vez mais significativo mercado de jogos concebidos para telemóveis. Calcula-se que o mercado total de jogos supõe 75 mil milhões de dólares por ano, dos quais 14.500 milhões correspondem ao mercado de telemóveis.

Candy Crush é um jogo gratuito, ainda que os utilizadores possam comprar produtos adicionais para tornar os seus jogos mais interessantes. A mais parte das receitas da King são provenientes deste jogo.

OJE

Recomendadas

“2023 será um ano de crescimento nos mercados externos”

O Grupo VAA tem como objetivo globalizar as suas duas marcas principais, Vista Alegre e Bordallo Pinheiro, e identificou sete mercados estratégicos onde está a apostar, explica Nuno Barra.

“Empresas arriscam sozinhas a entrada em mercados pela fraca dinamização e falta de apoio”

Mais de mil empresas participaram no Portugal Exportador no dia 23, orientado para a estratégia de internacionalização.

Rampa Digital dá consultoria às empresas sobre negócios no online

Associação .PT, gestora do domínio web português, quis estar perto das empresas que estão em processo de internacionalização.