Quarto general russo morto na Ucrânia, confirma o Kremlin

De acordo com o oficial de infantaria naval ucraniano Dmitry Ivanov, o general russo ordenou aos seus soldados no domingo que atacassem um povoado na região de Donetsk e “foi forçado a liderar o ataque”, informação confirmada pelos media russos.

O general russo Roman Kutuzov foi morto durante uma batalha na região leste de Donbas, disseram as forças armadas da Rússia no domingo. O número de baixas de generais na Ucrânia sobe, assim, para, pelo menos, quatro, segundo a “Newsweek”, que confirmou a informação junto do Kremlin.

De acordo com o oficial de infantaria naval ucraniano Dmitry Ivanov, o general russo ordenou aos seus soldados no domingo que atacassem um povoado na região de Donetsk e “foi forçado a liderar o ataque”.

“O general liderou os soldados para o ataque, como se não houvesse coronéis suficientes”, escreveu no Telegram Alexander Sladkov, correspondente de guerra numa estação de televisão estatal russa. “Roman era um comandante como todos os outros, embora com um posto mais alto.”

As forças separatistas russas também disseram em comunicado que Kutuzov, “um patriota da sua terra natal”, foi morto na vila do distrito de Nikolaevka Popasnyansky enquanto trabalhava para a “operação militar especial”.

“Sim, acontece, os generais também morrem na guerra. Mas, ao contrário dos comandantes ucranianos, eles não são covardes, não abandonam subordinados e não se escondem a centenas de quilómetros da linha de frente.”

“O comandante do 1º Corpo do Exército da República Popular de Donetsk, major-general Roman Kutuzov, foi oficialmente desnazificado e desmilitarizado”, ironizaram as forças armadas da Ucrânia, em comunicado divulgado nas redes sociais.

Recomendadas

Lukashenko: “Principal perigo na Ucrânia é que nazismo se transforme em fascismo”

O presidente da Bielorrússia prevê que o “fascismo” tenha que ser “combatido na Alemanha, França, Inglaterra, Espanha”.

Biden dá primeiro passo para Congresso avaliar ampliação da NATO

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, começou hoje o processo para que o Congresso americano avalie a adesão à NATO da Finlândia e da Suécia.

Lukashenko acusa Kiev de disparar mísseis contra a Bielorrússia

O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, afirmou hoje que o seu exército intercetou mísseis disparados da Ucrânia que se dirigiam contra a Bielorrússia.
Comentários