Premium“Quase metade da água perde-se antes de chegar às torneiras”

O bastonário da Ordem dos Engenheiros tem um conhecimento profundo do setor da água, que considera estar muito desenvolvido, mas com problemas ainda por resolver, como o investimento na renovação da rede de abastecimento.

Carlos Mineiro Aires tem uma longa experiência no setor da água em Portugal, no qual iniciou a carreira. Liderou o Instituto da Água durante mais de sete anos e também a SIMTEJO, a concessionária do sistema multimunicipal de saneamento dos municípios de Lisboa, Loures, Vila Franca de Xira, Amadora, Mafra e Odivelas. Na entrevista ao programa Decisores, diz que Portugal está na linha da frente quando se fala em abastecimento de água e saneamento básico, mas que falta ainda resolver problemas, como o das perdas no transporte.

 

Conhece bem o setor da água, que retrato é que faz do setor?

Portugal hoje é um país com muito boas infraestruturas no que diz respeito ao abastecimento de água e do saneamento básico. Longe vão os tempos em que o esgoto escorria diretamente para as praias e longe vão os tempos em que não sabíamos se a água que corria nas nossas torneiras era potável. Portanto, no que diz respeito a indicadores e ao desempenho, nós estamos nos lugares da frente no mundo. O mesmo acontece com a qualidade das águas doces do interior e das águas marítimas, e essa informação está completamente acessível ao público, o mesmo acontecendo com as análises à água potável.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPutin une extremos na oposição ao Ocidente

As franjas mais extremas europeias convergem no apoio a Putin, unidas por um antiamericanismo reforçado, à esquerda, por uma orfandade do comunismo soviético e, à direita, pela admiração por um regime iliberal e autocrático.

PremiumPara saudar o regresso de um majestoso Jaen

Serve este texto para saudar a aposta de um produtor do Dão, a Caminhos Cruzados, integrada há cerca de dois anos no grupo da Quinta da Pacheca (no Douro), na comercialização de um monovarietal de uma das castas mais singulares que se produzem em Portugal: a Jaen (Mencia, em Espanha). Há quem diga que em relação à Jaen, ou se ama ou se detesta.

PremiumFada ou bruxa? Uma duquesa que incomoda muita gente

Sociopata narcisista”. Uma classificação nada abonatória, mas é assim que é descrita Meghan Markle por ex-funcionários do Palácio de Buckingham que trabalharam para os duques de Sussex, segundo o que é revelado no novo livro de Valentine Low, que escreve sobre assuntos reais para o “The Times”.
Comentários