Quase metade das vendas de chocolate faz-se no Natal

A época natalícia leva a aumento de 40% em todos os chocolates, de acordo com a Associação dos Industriais de Chocolate e Confeitaria.

No Natal, quando temos dúvidas sobre aquilo que havemos de oferecer a um familiar, a um amigo ou nos célebres jantares de amigo secreto, o chocolate é sempre uma boa opção. Tradicionalmente presente debaixo da árvore ou à mesa de Natal, o chocolate é rei na barriga e no negócio.

Segundo a Associação dos Industriais de Chocolate e Confeitaria (ACHOC), é no Natal que se vendem mais de 40% de todos os chocolates. A entidade acredita que, este ano, as vendas vão permitir superar as 13 200 toneladas de chocolate vendidas em 2015, por cerca de 200 milhões de euros.

De acordo com o que escreve o “Dinheiro Vivo”, o sector chocolateiro estima superar em 2016 os valores dos anos anteriores e o Natal chega a representar quase metade das vendas. “Desde 2014 que o mercado tem estado estagnado, mas este ano esperamos vender mais e crescer também em valor”, afirmou ao jornal João Seara, presidente da Assembleia Geral da ACHOC.

Em Portugal, o consumo de chocolate não abrandou significativamente na sequência da crise financeira, o que se refletiu neste fenómeno e no facto de a quebra em 2012 ter sido de apenas menos 3%.

João Seara explicou ao DN que o Natal, a Páscoa e o Dia dos Namorados representam entre 65% e 70% das vendas anuais de chocolate e que “quando a Páscoa é fria vende-se muito mais do que naqueles anos em que já está calor e as pessoas até vão para a praia”.

“A indústria continua a investir na pesquisa e desenvolvimento para aumentar a resistência do produto a temperaturas mais elevadas, mas o chocolate continua muito dependente da meteorologia e podemos dizer que até o aquecimento global tem sido inimigo do setor”, acrescentou o responsável.

Recomendadas

Goldman Sachs prevê que inflação medida pelo IHPC atinja 5% em outubro na zona euro

O banco norte-americano prevê ainda que o ano de 2023 verá a inflação ‘core’ em 2,9% (em comparação a 2,7%), e para 2024 deve atingir 2,2% (2,1% anteriormente), consequência de um arrefecimento mais lento das pressões da inflação ‘core’ até 2023.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Turismo do Centro teme retração de mercados internacionais em 2023

“O que temos mais certo é o imprevisível”, afirmou Pedro Machado, que falava aos jornalistas em Coimbra, no âmbito das comemorações do Dia Mundial do Turismo, que se celebra na terça-feira.
Comentários