Quatro ligações entre Lisboa e aeroporto de Gatwick canceladas

Quatro ligações entre Lisboa e o aeroporto de Gatwick, na periferia de Londres, foram cancelados hoje devido aos condicionamentos no aeroporto britânico, que chegou a estar fechado, após o avistamento de drones, disse uma fonte da ANA.

Fonte da ANA – Aeroportos de Portugal adiantou à Lusa que hoje de manhã, até às 11:30 de hoje, foram cancelados em Lisboa dois voos com destino a Gatwick e outros dois provenientes daquele aeroporto da periferia de Londres.

De acordo com a ANA, não há registo de cancelamentos hoje de manhã no aeroporto Sá Carneiro, no Porto, nem no de Faro.

O aeroporto de Gatwick reabriu às 09:30 de hoje, depois de ter estado fechado desde quarta-feira à noite na sequência do avistamento de drones nas proximidades do terminal aéreo.

Muitas aeronaves foram desviadas para outros aeroportos, incluindo Paris e Amesterdão, enquanto as autoridades aeroportuárias pediram aos passageiros que contactassem as suas companhias aéreas para se informarem sobre a situação dos voos.

Cerca de 110 mil passageiros foram afetados na quinta-feira, e dez mil na noite de quarta-feira.

Na quinta-feira, a TAP informou que iria operar dois voos extra entre Lisboa e Heathrow, na região de Londres, para minimizar o impacto para os seus passageiros do encerramento temporário de Gatwick

Recomendadas

UNITA quer esclarecimentos do Governo sobre greve dos pilotos da TAAG

O sindicato dos pilotos da companhia aérea de bandeira de Angola convocou uma greve entre os dias 7 (amanhã) e 16 de outubro.

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

Comissão de trabalhadores acusa grupo Amorim de “incapacidade” para dirigir Galp por anúncio da saída do CEO sem substituto

A Comissão Central de Trabalhadores (CCT) da Petrogal acusou hoje o Grupo Amorim de incapacidade “para controlar e dirigir a Galp”, na sequência do anúncio da saída do presidente executivo, Andy Brown, no final do ano, sem anúncio de substituto.
Comentários