Quatro principais índices de Wall Street batem novos máximos históricos

As promessas de Trump de cortes de impostos, maiores gastos em infraestrutura e regulamentação simplificada para os setores bancário e de saúde levaram a novos máximos em Wall Street.

Os quatro principais índices de Wall Street bateram novamente nesta terça-feira máximos históricos, com o Dow Jones a ultrapassar os 19.000 pontos pela primeira vez, e o S&P a superar os 2.200 pontos, dando continuidade à alta impulsionada pela eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos.

O índice Dow Jones fechou a subir 0,35% para 19.023,87 pontos, o S&P 500 ganhou 0,24% para 2.203,50 pontos. O índice de tecnologia Nasdaq avançou 0,33% para 5.386,35 pontos. Já o índice das ‘small caps’, o Russell 2000, valorizou 0,98% para 1.335,91 pontos, a décima terceira sessão consecutiva com ganhos. “Antes das eleições presidenciais, o Russell 2000 era o índice norte-americano com desempenho mais fraco. A maior probabilidade de haver subida de taxas de juro nos EUA traduz-se numa expectativa de aumento das margens financeiras dos bancos, sendo que a banca é o setor mais importante do Russell 2000”, comentou Steven Santos, gestor do BiG.

Os índices Dow, S&P e o Nasdaq e o Russell 2000 repetiram a proeza de ontem, ao fecharam em máximos históricos, o que não acontecia desde dezembro de 1999. Para Steven Santos, “o facto de os quatro principais índices acionistas terem atingido máximos é um bom sinal de confirmação do ‘Bull Market’ nos EUA”.

As promessas de Trump de cortes de impostos, maiores gastos em infraestrutura e regulamentação simplificada para os setores bancário e de saúde levaram a um ‘rally’ no mercado acionista desde as eleições de 8 de novembro.

As vendas de casas usadas subiram 2,0% face a setembro, para uma taxa homóloga ajustada às variações sazonais de 5,60 milhões, disse a National Association of Realtors esta terça-feira. Trata-se da subida mais rápida desde 2007. Economistas sondados pelo The Wall Street Journal previam uma taxa de venda de 5,45 milhões de casas em outubro.

Robert Pavlik, estrategista-chefe de Boston Private Wealth, em Nova Iorque, disse à Reuters que o “optimismo está a voltar devido ao potencial que existe sob a forma de estímulo fiscal, gastos com infraestrutura e cortes de impostos e está renovar a confiança dos investidores e consumidores”.

Os principais setores em destaque na sessão de hoje foram as telecomunicações (1,55%) e as matérias-primas (0,94%).

O Crude WTI recua 0,46%, para 48,01 dólares/Barril.

Recomendadas

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.

Musk tinha um plano para o Twitter? Veja as escolhas da semana no “Mercados em Ação”

Conheça as escolhas da semana do programa da plataforma multimédia JE TV numa edição que contou com a análise de Nuno Sousa Pereira, head of investments da Sixty Degrees.

PSI encerra no ‘vermelho’ em contra ciclo com a Europa

Lá fora, as principais praças europeias negociaram maioritariamente em terreno positivo. O FTSE 100 valorizou 0,32%, o CAC 40 ganhou 0,08%, e o DAX apreciou 0,01%. O espanhol IBEX 35 manteve-se estável.
Comentários