PremiumQue futuro queremos para a Antártida, ou seja, para o mundo?

Já inaugurou no Museu de História Natural e da Ciência a exposição fotográfica “Antártica fora de equilíbrio” de Edward Longmire. Está patente até 27 de fevereiro.

Não é novidade dizer que o “sexto continente”, que não é um continente mas sim uma vastíssima massa de gelo com uma superfície na ordem dos 14 milhões de Km2, não tem dono, apesar de 29 países com presença ativa neste território decidirem o seu presente e futuro.

Mas recuemos no tempo para perceber como a cobiça humana tem marcado indelevelmente o gelo que é sinónimo de vida e teima em derreter a uma velocidade cada vez mais preocupante.

A corrida ao Polo Sul
As expedições e competição entre nações para alcançar a região alimentaram narrativas e mitos nos séculos XIX e XX. Recorde-se que o capitão britânico James Cook lançara as fundações do mito quando, em 1770, após três anos a tentar encontrar o que se suspeitava ser um novo continente inóspito, desistiu de levar avante os seus intentos. Países como Estados Unidos, Rússia e Grã-Bretanha estimularam viajantes a explorar o extremo Sul do planeta numa corrida semelhante à ida à Lua.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Premium“O desenho pode ser um ponto de partida para começar uma coleção”

“Os portugueses conhecem os seus artistas, respeitam-nos e valorizam-nos”. Palavra de curadora, que é também diretora da única feira dedicada ao desenho em Portugal. Mónica Álvarez Careaga fala ao JE na identidade muito própria da Drawing Room Lisboa e da sua crescente “portugalidade”, que considera ser o reconhecimento de “várias gerações de excelentes artistas” portugueses.

PremiumSom harmonioso

Desenvolvido em segredo, o Co-Axial Master Chronometer Calibre 1932 é o primeiro movimento de relojoaria do mundo a fundir as funções de cronógrafo e de repetidor de minutos, necessitando do seu próprio “cérebro” mecânico para fazer soar o tempo decorrido.

PremiumSobre a necessidade de reinvenção de um continente no século XXI

Uma reportagem recente de um consórcio nacional de jornalistas trouxe para a luz do dia a existência de um número verdadeiramente assustador de elementos das forças de segurança portuguesas que não honram a farda, semeando o ódio, incentivando à violência e demonstrando um feroz racismo, quer contra cidadãos de etnia cigana, quer contra negros.
Comentários