“Que neste Natal todos tenham comida na mesa”. Movimento “A Pão e Água” distribui cabazes esta quarta-feira

O líder do movimento “Sobreviver A Pão e Água”, José Gouveia, referiu que “amanhã [23 de dezembro] vamos começar a distribuir os cabazes de Natal” e sublinhou que quem precisar de “ajuda ou se conhecerem alguém que precise” entre em contacto com o próprio.

A greve de fome terminou há algumas semanas, mas a luta do movimento “Sobreviver a Pão e Água” continua. Desta vez, o grupo tem cabazes de Natal para distribuir após ter recolhido fundos para o efeito.

O líder do movimento, José Gouveia, referiu que “amanhã [23 de dezembro] vamos começar a distribuir os cabazes de Natal” e sublinhou que quem precisar de “ajuda ou se conhecerem alguém que precise” entre em contacto com José Gouveia para o 912 228 111 . “Garanto sigilo, só eu irei entregar e vou onde for preciso, que neste Natal todos tenham comida na mesa é o nosso objetivo”, assegurou.

Em comunicado, o movimento “Sobreviver a Pão e Água” apontou que “ajudar é preciso e este ano todos devemos ajudar. São múltiplas as instituições de apoio à população e não nos queremos sobrepor a elas, queremos ser mais uma opção, um opção mais próxima, que apoia aqueles que nos rodeiam e, muitas vezes, têm vergonha de pedir ajuda”.

“Este ano milhares de pessoas não têm como proporcionar, às suas famílias, um Natal digno, pior, muitos não têm como colocar na mesa uma refeição digna. Muitas dessas pessoas estão próximas de nós. Não podemos ajudar todos, muitos nem querem ser ajudados, mas vamos ajudar quem nos estende a mão pedindo ajuda”.

Para a recolha dos 50 cabazes que têm para distribuir, contribuíram a “Casa dos Corações que se juntou à nossa causa, e de outros anónimos que não quiseram deixar de participar de forma massiva”. Os fundos foram recolhidos em três pontos do país: Lisboa, na Quinta da Bela Vista, no Porto, na rua Augusto Lessa e em Faro, na estrada da Penha.

Relacionadas

Chef Ljubomir Stanisic diz que estrela Michelin tem “triplo significado” em ano marcado pela Covid-19

O chef Ljubomir Stanisic, que viu hoje o restaurante ‘100 Maneiras’ conquistar uma estrela Michelin, afirmou que a distinção reconhece “o trabalho de muitos anos” e tem um “triplo significado” num ano “especialmente difícil”, marcado pela Covid-19.

“Sobreviver a Pão e Água”. “Mais de uma centena” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Movimento “Sobreviver a Pão e Água” termina greve de fome em frente à AR

“Discutimos várias ideias, várias possibilidades, e ficou acordado que dentro de sete dias, oito dias, na próxima semana, teremos um novo encontro, porque em muitas medidas que foram discutidas em conjunto o próprio Fernando Medina estava de acordo com uma parte dela. A outra parte sabemos os três que, praticamente, é impossível chegar a soluções para todos, por isso, aguardamos a próxima reunião”, explicitou Ljubomir Stanisic.
Recomendadas

Sindicato da PSP realiza campanha “Dignidade Não é Caridade” com protesto na terça-feira

A primeira ação desta campanha vai acontecer na terça-feira, um dia depois de o Governo apresentar na Assembleia da República a proposta do Orçamento do Estado (OE) para 2023, tendo os polícias agendado para as 16:00 uma concentração em frente ao parlamento.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

Crise/Energia: Município de Pinhel pondera desligar iluminação pública para reduzir custos

“Nós [município de Pinhel] estamos numa situação muito difícil, porque, para terem uma noção, a faturação [mensal] que normalmente era de 30 mil euros – e vou só falar de iluminação pública -, já ascende os 150 mil”, afirmou Rui Ventura.
Comentários