Que tal uma viagem no tempo, aos Loucos Anos 20 em Lisboa?

A capital portuguesa não se furtou às novidades, extravagâncias e transgressões dessa década, e seguiu exemplos estrangeiros vindos através da imprensa, da rádio, da literatura e do cinema. Uma exposição para ver no Museu de Lisboa.

Lisboa não é Paris, Berlim ou Nova Iorque. Nunca foi nem será. Nem queremos que seja. Mas não foi por isso que a capital portuguesa não teve o seu momento “Great Gatsby”, transgressor e moderno, como se procura mostrar na exposição patente no Pavilhão Preto do Museu de Lisboa-Palácio Pimenta.

A experiência de Modernidade surge logo na primeira sala, quando somos confrontados com uma pintura de António Soares, na qual uma mulher está sentada numa esplanada a fumar. Logo aí a novidade fala por si: uma mulher sozinha numa esplanada e, ultraje, a fumar. Sinais do tempo que começava a chegar à capital portuguesa, um tempo de liberdade efémera mas grandiosa. Um tempo de cosmopolitismo e de modernidade, de afirmação social e individual.

Como sublinha o texto da folha de sala que acompanha da exposição “Os Loucos Anos 20 em Lisboa”, a cidade viveu esta época à “escala portuguesa” e “acompanhando, a uma certa distância, o sentimento de otimismo, prosperidade e celebração que caracterizou a vivência urbana nas principais capitais europeias, após o fim da I Guerra Mundial”.

Comissariada por Cecília Vaz, Mário Nascimento e Paulo Almeida Fernandes, a exposição oferece uma viagem pela vivência urbana de modernidade da capital, desde a chegada do automóvel às ruas de Lisboa, às mudanças e liberdade de movimentos que a moda trouxe para as mulheres, à festa e euforia que contrastavam com o atraso cultural e conservadorismo lisboetas.

Dos vários pequenos filmes exibidos na exposição, destaque para os excertos de “Lisboa, crónica anedota”, filmado em 1929 por Leitão de Barros e divulgado em 1930, com deliciosos apontamentos do quotidiano, verdadeiras caricaturas da nova forma de estar urbana.

Espreite também as iniciativas paralelas à exposição, que vão desde sessões de cinema ao ar livre, a percursos temáticos e atividades para famílias, passando, claro, por visitas orientadas à exposição, patente no Pavilhão Preto do Museu de Lisboa-Palácio Pimenta até dia 11 de dezembro.

Recomendadas

Walt Disney com lucros de 2.909 milhões de euros

O negócio de media e entretenimento continua a representar a maior quota das receitas, mas o segmento de parques temáticos, experiências como cruzeiros e ‘resorts’, e marketing de produtos quase duplicou no período em análise.

Saiba quais são as 10 praias mais procuradas pelos portugueses

É sabido que Portugal tem algumas das melhores e mais bonitas praias de todo o mundo e, por esse motivo, na altura de fazer férias, vale a pena procurar por elas. Conheça aqui as 10 mais pesquisadas pelos turistas nacionais para este verão.

Conheça os 10 melhores parques aquáticos na Europa

Os parques aquáticos são dos espaços mais procurados por quem tira férias, em particular num verão em que as temperaturas estão a bater recordes. Por isso, importa conhecer os melhores parques da Europa.
Comentários