Queda de helicóptero do INEM: “é um momento raro e muito triste”, diz o Presidente da República

Após ter estado “toda a madrugada em contacto com o presidente do INEM”, o chefe de Estado classificou este como um “momento raro, mas muito triste, e que é o retrato dos riscos da vocação que abraçaram, quer médico, quer enfermeira e bombeira, quer os pilotos”.

Cristina Bernardo

O Presidente da República classificou hoje a queda de um helicóptero do INEM, que provocou a morte de quatro pessoas, como um “momento raro e muito triste” e pediu o apuramento de “tudo o que se terá passado”.

“A minha primeira palavra vai, naturalmente, para aqueles que, infelizmente, pereceram naquele acidente [..]. Para eles e para as suas famílias vai o meu primeiro pensamento, apresentando condolências muito sentidas às famílias”, declarou hoje Marcelo Rebelo de Sousa, falando na Pontinha, Odivelas, à margem de um almoço solidário de Natal.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/inem/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”767″ slug=”inem” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/inem/thumbnail?version=1532369533756&locale=pt-PT&publisher=www.jornaleconomico.pt” mce-placeholder=”1″]

Notando que as vítimas mortais, “foram vítimas do serviço da comunidade e os portugueses estão gratos por isso”, Marcelo Rebelo Sousa quis também transmitir a sua solidariedade “ao INEM e em geral a todos os operacionais”.

O Presidente da República vincou que, “das várias conversas com o presidente do INEM, resultou a ideia de que há preocupação de apurar tudo o que se terá passado, rodeando este acidente, para determinar efetivamente os factos que ocorreram, como ocorreram, e as lições que se podem e devem extrair para o futuro”.

A seu ver, importa saber “o que terá passado relativamente ao voo feito, às eventuais causas do acidente, ao conhecimento do acidente e relativamente ao tempo que mediou entre o conhecimento ou os conhecimentos e a intervenção ou intervenções que houver a seguir”.

“E, portanto, temos de apurar antes de formular juízos”, adiantou.

Relacionadas

Ministro da Administração Interna ordenou abertura de inquérito urgente à queda do helicóptero do INEM

Em causa estarão os mecanismos de reporte da ocorrência e o lançamento de alertas em relação ao incidente. De momento, sabe-se que passaram cerca de duas horas entre o primeiro alerta, quando o aparelho desapareceu, e a chegada ao local das operações de socorro.

Despiste de helicóptero do INEM em Valongo: Protecção Civil desconhece qualquer atraso nas comunicações com bombeiros

“Não temos indicação de qualquer atraso da comunicação entre os bombeiros e a Proteção Civil. Toda a operação foi iniciada após comunicação da entidade local da Proteção Civil, neste caso o Comando Distrital de Operações de Socorro [CDOS] do Porto, para as corporações de bombeiros locais”, afirmou Carlos Alves, o comandante distrital da Proteção Civil do Porto.

INEM confirma quatro vítimas mortais em queda de helicóptero, causas desconhecidas

A aeronave, que fazia a viagem entre o Porto e Macedo de Cavaleiros, Bragança, estava desaparecida desde as 18:30 de sábado e, segundo o organismo, “o incidente ocorreu numa altura em que se verificavam condições meteorológicas bastante adversas”.

Helicóptero do INEM com quatro pessoas a bordo desapareceu na zona de Valongo

A aeronave transportava um médico, um enfermeiro e dois pilotos e regressava à base em Macedo de Cavaleiros.
Recomendadas

Premium“A organização de cuidados deve estar centrada no doente”

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) prepara-se para entrar numa nova era, com a criação de uma direção executiva. Na discussão inaugural do ciclo de conferências PROJETOR 2030, a saúde foi o tema forte.

Protestos de solidariedade com mulheres iranianas decorrem sábado em Lisboa e Coimbra

Os protestos decorrem depois da polémica morte de Mahsa Amini, uma jovem de 22 anos, por usar o hijab de forma incorreta.

PremiumNova dedução no IRS contribuiria para contrariar desigualdade de géneros

Mulheres ganham menos do que os homens e são também penalizadas fiscalmente uma vez os produtos a elas dirigidos tendem a ser mais caros. Dedução à coleta para contrariar esse cenário seria “o mais simples”, defende APIT.
Comentários