Quem é o “homem mais admirado” nos EUA? Não, não é Trump

O antigo Presidente dos Estados Unidos Barack Obama é o “homem mais admirado” pelos norte-americanos, distinção que consegue pelo décimo ano consecutivo, impondo-se a Donald Trump, indica uma sondagem publicada hoje pela Gallup.

A sondagem anual indica que o democrata Obama (que cumpriu dois mandatos na Casa Branca, de janeiro de 2009 a janeiro de 2017) foi escolhido por 17% dos americanos, três pontos percentuais à frente do republicano Donald Trump, o atual mandatário. Ainda assim, Obama perdeu cinco pontos percentuais face a 2016, o seu último ano como inquilino da Casa Branca.

Num terceiro lugar distante ficou o papa Francisco, à frente do reverendo Billy Graham, o senador republicano e ex-candidato presidencial John McCain ou diretor-executivo da companhia de automóveis elétricos Tesla, Elon Musk.

No seu inquérito anual, a Gallup pergunta aos norte-americanos não só quem é o homem que mais admiram, como também quem é a mulher.

Na classificação das mulheres, a vencedora – pela 16.ª vez consecutiva – foi Hillary Clinton, candidata democrata às eleições presidenciais de novembro 2016, derrotada por Donald Trump. No total, Hillary Clinton já foi escolhida como a mulher mais admirada pelos norte-americanos em 22 ocasiões.

Este ano obteve o apoio de 9% dos inquiridos, a sua pontuação mais baixa desde 2002, e com uma vantagem de apenas dois pontos percentuais face à antiga primeira dama Michelle Obama.

Na lista das senhoras também figura a chanceler alemã, Angela Merkel, e a atual primeira-dama dos Estados Unidos, Melania Trump.

A sondagem da Gallup realiza-se desde 1946 – com exceção do ano de 1976. O inquérito deste ano resulta de 1.049 entrevistas telefónicas realizadas entre 4 e 11 de dezembro a norte-americanos maiores de idade.

Recomendadas

Novas tabelas de retenção já estão publicadas. Saiba quanto vai descontar de IRS todos os meses de 2023

Estão publicadas as tabelas de retenção na fonte para 2023: no primeiro semestre, vai aplicar-se o modelo atual, mas no segundo semestre as taxas passarão a ser marginais, para evitar regressividade.

Comércio a retalho caiu 2,7% na zona euro e 2,4% na UE em outubro

Em Portugal registou-se um crescimento de 1,2% no que respeita ao volume do comércio a retalho, em outubro, face ao mesmo mês do ano passado, de acordo com os dados do Eurostat.

Unidades Comerciais de Dimensão Relevante diminuíram 0,3% em 2021, mas houve recuperação face a 2019

Comparativamente a 2019, verificou-se uma recuperação no número de estabelecimentos (+1,1%), no volume de negócios (+0,4%) e no volume de vendas (+0,6%) destas unidades. Contudo, quer o pessoal ao serviço quer o número de transações mantiveram-se ainda, no ano passado, abaixo do pré-pandemia (-2,4% e -12,7%, respetivamente).
Comentários