“Quem em Portugal não confiava” em Ricardo Salgado?”, questiona ex-administrador do BES

O ex-administrador do BES José Manuel Espírito Santo Silva reconheceu hoje no parlamento estar “surpreendido” com “muita coisa” que se está a descobrir sobre a gestão do banco e do GES. “Quem é que em Portugal não confiava no dr. Ricardo Salgado?”, questionou no parlamento, na comissão de inquérito à gestão do Banco Espírito Santo […]

O ex-administrador do BES José Manuel Espírito Santo Silva reconheceu hoje no parlamento estar “surpreendido” com “muita coisa” que se está a descobrir sobre a gestão do banco e do GES.

“Quem é que em Portugal não confiava no dr. Ricardo Salgado?”, questionou no parlamento, na comissão de inquérito à gestão do Banco Espírito Santo (BES) e do Grupo Espírito Santo (GES).

A pergunta motivou alguns risos na sala, com os deputados do PCP Miguel Tiago e Bruno Dias e a deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua a levantarem a mão na resposta à questão.

“Eu também conheço alguns” que não confiavam em Salgado, acabaria por dizer José Manuel Espírito Santo Silva.

“Neste momento estou a percorrer um caminho em que de facto estou surpreendido com muita coisa que se está a passar e que está a ser averiguada por esta comissão, também”, sublinhou.

Sobre a sua relação com Salgado, prosseguiu: “Temos a mesma idade, estudámos juntos, fizemos várias coisas juntos. Tenho por ele admiração e amizade”.

José Manuel Espírito Santo disse ainda que vai esperar pelos resultados das averiguações em curso “esperando” que estes lhe permitam “continuar com essa amizade e vivência” que teve com o ex-banqueiro.

“Se não for assim é uma grande desilusão para mim”, admitiu.

OJE/Lusa

 

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.