“Quem ganha dinheiro quando arde Portugal”, pergunta o El Mundo

Jornal espanhol diz que a manipulação de concursos, alegadamente pelo chamado ‘Cartel do Fogo’, pode rondar os 821 milhões de euros, nos últimos 12 anos.

O jornal ‘El Mundo’ publicou um artigo sobre os concursos para meios de combate ao fogo em Portugal, tendo como pano de fundo os incêndios que assolaram o país durante o verão, nomeadamente a tragédia de Pedrógão Grande, e questionando: “Quem ganha dinheiro quando arde Portugal?”

O jornal espanhol sinaliza as ligações entre o país e o chamado Cartel do Fogo, dizendo que “Portugal recorre ao setor privado para ter apoio aéreo ne combate [aos fogos]”, mas que o problema se verifica quando as empresas “manipulam os concursos públicos”.

Aponta o “delito que a Polícia Judiciária portuguesa acredita ser cometido por um ramo português do conhecido Cartel do Fogo espanhol” e diz que a manipulação de concursos pode rondar os 821 milhões de euros, nos últimos 12 anos.

Esta não é a primeira vez que os meios de comunicação social espanhóis escrevem sobre a alegada interferência do “cartel do fogo” em Portugal. No início de setembro, o El Español’ contava que seis das principais empresas espanholas de combate aos fogos manipulam (pelo menos) desde 2006 os contratos públicos com Portugal, com ofertas falsas, para garantir que conseguem ganhar todas as licitações.

Segundo os cálculos das autoridades, juntas, as empresas lucraram cerca de 100 milhões de euros, em operações realizadas em Espanha e Portugal.

Estas entidades estão a ser investigadas desde 2015, sob o nome de ‘Operação Concentração’ e envolve as empresas ‘Avialsa’, ‘Espejo’, ‘Martínez Ridao’, ‘Cegisa’ e a ‘Faasa’, cujos representantes juntam-se várias vezes por ano num hotel chamado ‘El Curce’, localizado na cidade de Manzanares (Ciudade Real). Ali, naquele hotel e entre “ragu e ensopado de borrego”, as concessões públicas de Baleares, Estremadura, Andaluzia e Portugal eram definidas.

Relacionadas

PJ investiga ramificações do ‘Cartel do Fogo’ em Portugal

Em Espanha já foram detidas mais de duas dezenas de pessoas. Empresas combinavam preços e vendiam os serviços a Portugal por três vezes mais.

Portugal contratou cartel espanhol para combater fogos (a pagar três vezes mais)

Serviço contratado pelo Governo português tem um custo três vezes superior ao de serviço, segundo uma investigação do jornal espanhol ‘El Español’
Recomendadas

Portugal é o segundo país da OCDE onde rendimento real das famílias mais caiu da pandemia até setembro de 2022

De acordo com dados publicados hoje pela OCDE, o rendimento real ‘per capita’ (um indicador em que são deduzidos impostos e contribuições e acrescentados benefícios sociais) em Portugal caiu 4,14% entre o quarto trimestre de 2019 e o terceiro trimestre de 2022, decréscimo só ultrapassado pelo de Espanha, que foi de 7,85%.

Greve na CP suprimiu 66 comboios durante a manhã

No que diz respeito às composições de longo curso estavam programados 31 e só circularam 19 comboios, sendo que, no serviço regional, de um total de 145, circularam 118.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.
Comentários