Quem vai beneficiar com corte nos impostos nos EUA? Banca, refinação e aviação

As empresas norte-americanas deverão ver os lucros a subirem no próximo ano devido à reforma fiscal, mas determinados setores vão ser especialmente beneficiados. As empresas europeias poderão receber ganhos de forma indireta.

A Casa dos Representantes e o Senado dos Estados Unidos da América aprovaram esta terça-feira a reforma mais ampla do sistema tributário do país em mais de 30 anos. A nova lei, cuja aprovação final é esperada ainda esta quarta-feira, deverá impulsionar os lucros das empresas, através do corte nos impostos corporativos. O principal impacto será nos EUA, mas a Europa também poderá sair beneficiada.

A principal alteração legislativa é a redução dos impostos sobre as empresas, que será de 21%, em vez da taxa atual, que varia entre 15% e 35%. Segundo Steven Mnuchin, secretário do Tesouro dos EUA, “as reduções de impostos poderão começar em fevereiro, porque o Internal Revenue Service -IRS já está a trabalhar com as novas tabelas”.

As empresas que pagam mais impostos e cuja atividade é principalmente focada nos EUA serão as mais beneficiadas. Analistas consultados pelo jornal espanhol El Economista estimam que os lucros aumentem em média 10%, levando a um reforço da confiança dos investidores, mas nalguns casos, a subida será ainda mais significativa.

Os setores da refinação, caminhos-de-ferro, companhias aéreas e bancos estarão entre as empresas que mais vão ganhar com a reforma tributária.

Na banca, a KBW estima que a reforma fiscal leva a valorizações nas ações em 2018 de 20% mais que sem a reforma, no caso do JPMorgan e de 21% no caso do Wells Fargo.

A Delta Air Lines foi uma das primeiras empresas a reportar possíveis subidas nos lucros, sendo que a empresa espera uma subida de cerca de 18% a 19%, no próximo ano. O banco de investimentos KBW aponta que a empresa de Warren Buffett, a Berkshire Hathaway, aumente os lucros no próximo ano em 15%, para próximo de 2.600 milhões de dólares.

No setor da refinação, empresas como a Valero Energy ou a Andeavor poderão ver ganhos nas ações de mais 15 a 32%, de acordo com Guy Baber, analista da Simmons & Co. Já no fabrico de equipamentos, como United Technologies, Honeywell e Emerson Electric, o aumento médio poderá ser de 10%, segundo os analistas da Vertical Research Partners.

Relacionadas

Reforma fiscal dá abertura robusta a Wall Street

O Senado dos Estados Unidos já aprovou a proposta de lei e o documento volta agora à Casa dos Representantes. A aprovação final é esperada ainda esta quarta-feira, antes de a lei ser assinada pelo presidente Donald Trump.

Reforma fiscal de Trump cada vez mais perto de avançar após ‘sim’ do Senado

Na rede social Twitter, o presidente norte-americano explicou que se a reforma for aprovada haverá uma conferência de imprensa na Casa Branca, aproximadamente às 13 horas [hora local].

Reforma fiscal de Donald Trump aprovada na Câmara dos Representantes

Com 227 votos a favor e 203 contra, a Câmara dos Representantes dos EUA aprovou a reforma fiscal proposta pelo presidente Donald Trump. Segue-se a votação no Senado, esta noite (madrugada em Portugal).
Recomendadas

Alemanha reitera apoio a gasoduto nos Pirinéus e diz que França não excluiu projeto

O chanceler alemão destacou que este projeto tem uma perspetiva de longo prazo e que, para além do transporte de gás no imediato, servirá para fornecer outras energias, como hidrogénio, no futuro.

“Nova atitude da TAP perante os gastos terá de abranger também os pilotos”, desafia SPAC

Sindicato dos Pilotos diz que “enquanto uns têm cortes brutais no seus vencimentos” e ainda há “processos de despedimento em curso”, renova-se o parque automóvel dos cargos de direção “com 79 viaturas”.

TAP diz que renovação da frota automóvel permite poupar anualmente 630 mil euros

A TAP diz que a opção de comprar 50 BMWs representa uma poupança superior a 20% do valor mensal da renda e tributação, relativamente a novos contratos de renting e está em linha com o plano de reestruturação.
Comentários