Quer aprender a programar? A Academia de Código ensina

Organizado pela startup lisboeta, o curso é gratuito e acessível a todos os interessados que queiram tornar a programação a sua área profissional.

A Academia de Código é uma startup lisboeta nascida pelas mãos de Domingos Guimarães e João Magalhães. Esta startup tem o objetivo de requalificar desempregados que não encontram empregos noutras áreas, formando-os para programadores de Tecnologias de Informação (TI).

Este projeto vai iniciar dois cursos, em Lisboa e no Fundão, com o apoio das respetivas Câmaras Municipais. As vagas estão abertas até ao dia 9 e 23 de dezembro, na mesma ordem.

Após a fase de inscrição, a 26 de dezembro e a 9 de janeiro irão realizar-se os bootcamps, com a duração de três meses e meio, em regime fulltime intensivo.

Os cursos destinam-se a todos os interessados com idade igual ou superior a 18 anos, que saibam falar e escrever em inglês e que residam nas zonas de Lisboa e Fundão, sendo a “procura das condições certas da responsabilidade” dos mesmos.

Com 17 vagas para Lisboa e 20 no Fundão, os selecionados irão “iniciar nas artes lógicas da programação e do pensamento algorímico”, o que lhes poderá permitir, no final do programa, o acesso a estágios profissionais remunerados em empresas parceiras.

Recomendadas

Incubadora de Coimbra lidera consórcio para agilizar testes de tecnologias na saúde

O Instituto Pedro Nunes (IPN), de Coimbra, vai liderar o consórcio nacional de um projeto europeu que pretende agilizar o processo de certificação e testes de tecnologia baseada em inteligência artificial e robótica na área da saúde.

Startup de “hackers bons” Immunefi capta 24 milhões

A empresa de Singapura, cujo CEO reside em Portugal, fechou uma ronda de investimento ‘série A’ encabeçada pela norte-americana Framework Ventures. Em menos de dois anos encaixou quase 30 milhões em capital de risco à conta da caça aos ‘bugs’ na blockchain.

Codacy levanta 15 milhões em ronda liderada pela unidade de investimento da Sonae (com áudio)

Além da Bright Pixel Capital, as sociedades de capital de risco Armilar Venture Partners, Faber Ventures, Join Capital, Caixa Capital, EQT Ventures e Iberis Capital também estiveram envolvidas no investimento.
Comentários