Quer comprar casa? Conheça todos os impostos que terá de pagar

Existem alguns impostos na compra de imóvel que são obrigatórios. Veja como calculá-los e descubra se pode beneficiar de isenção no pagamento destes.

Na tomada de decisão de aquisição de uma casa é crucial ponderar todos os custos que se lhe encontram associados. Para além dos registos e custos notariais, deverá tomar atenção sobretudo aos impostos na compra de imóvel.

Não obstante o peso financeiro de um crédito à habitação, a verdade é que todos os outros custos associados à compra de casa fazem com que o montante total da aquisição do imóvel se torne muito mais elevado. O primeiro passo será, então, o de encontrar um financiamento que seja direcionado para as suas necessidades e capacidades de pagamento.

Quais os impostos na compra de imóvel?

Após a escolha da sua casa ideal e da aprovação do crédito à habitação, é necessário tratar das questões burocráticas: reunir toda a documentação exigida, efetuar a escritura e ainda pagar os impostos associados à compra de um imóvel.

Estes impostos, que são de pagamento obrigatório ao Estado, são precisamente três: o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), o Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT) e o Imposto do Selo (IS). Dadas as características que os distinguem, abaixo enunciaremos em que consistem e como deverá calculá-los, para que fique a saber exatamente quanto vai pagar.

Atenção:

O incumprimento no pagamento de qualquer um destes impostos na compra de imóvel pode resultar em multas elevadas. Cumprir com estes deveres enquanto cidadão é um requisito legal que não deve descurar.

1. Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI)

O IMI é um imposto que incide sobre o Valor Patrimonial Tributário do imóvel, devendo ser pago todos os anos desde o momento em que o consumidor adquire a casa em questão.

Fórmula:

IMI = Valor Patrimonial Tributário (VPT) x Taxa aplicável

A taxa a aplicar é definida por cada município em Portugal, mas deverá ter em consideração o cálculo do IMI. Este cálculo tem por base uma tabela com intervalos, que está presente no Código do Imposto Municipal sobre Imóveis (CIMI), sendo que o intervalo para prédios urbanos (casas para habitação e terrenos para construção) varia entre os 0,3% e os 0,45%.

Todos os portugueses devem efetuar o pagamento deste imposto no mês de maio. Para facilitar o pagamento de montantes mais elevados, é permitido o pagamento por parcelas, nomeadamente:

  • Se o IMI não for superior a 100 euros, o pagamento deve ser feito na totalidade;
  • Caso o valor se situe entre os 100 e os 500 euros, o cidadão pode optar por liquidar em duas parcelas, nos meses de maio e novembro;
  • Se o montante for superior a 500 euros, então é possível pagar o IMI em três mensalidades, nos meses de maio, agosto e novembro.

É possível ter isenção no IMI?

Sim, é possível estar isento da liquidação deste imposto em duas situações distintas.

Por um lado, é possível ter isenção temporária. No caso de se tratar de um imóvel adquirido para habitação própria e permanente, se o Valor Patrimonial não for superior a 125 mil euros e se o rendimento coletável do agregado familiar for inferior a 153.300 mil euros para efeitos de IRS, então a família poderá ter isenção no pagamento do IMI durante três anos.

Por outro lado, é ainda possível beneficiar de uma isenção vitalícia. Para tal, é necessário que o rendimento anual do agregado familiar não seja superior a 15.295 mil euros, o que representa 2,3 vezes o valor anual do Indexante dos Apoios Sociais de 475 euros.

Tome nota:

Para conseguir esta isenção, é necessário efetuar o pedido da mesma nas Finanças antes da compra da habitação e quando a avaliação do imóvel estiver concluída. Os requerimentos feitos após a compra do imóvel não são elegíveis para obter isenção.

 

2. Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT)

Outro dos impostos na compra de imóvel é o IMT. Este é cobrado sempre que se realiza a compra de uma casa, sendo aplicado sobre o Valor Patrimonial Tributário ou sobre o valor declarado na escritura e incidindo sobre o maior destes dois montantes.

Para além disso, deverá ser subtraída a parcela correspondente à taxa (que encontrará na tabela do IMT disponível no Portal das Finanças).

Fórmula:

IMT = Valor de Escritura ou Valor Patrimonial Tributário (o maior) x Taxa a aplicar – Parcela a abater

Este imposto deve ser liquidado antes da compra da habitação e o seu cálculo tem em consideração três características específicas:

  • Tipo do imóvel: rústico ou urbano;
  • Localização da casa: Continente ou Regiões Autónomas;
  • Finalidade da compra: Habitação Própria Permanente ou Secundária.

Existe alguma isenção no IMT?

Para conseguir obter isenção no pagamento do IMT, é necessário que a casa apenas seja destinada a Habitação Própria e Permanente. Para além disso, o seu valor não deverá ser superior a 92.407 mil euros no Continente e 115.509 mil euros nas Regiões Autónomas.

 

3. Imposto do Selo (IS)

O último (mas não menos importante) dos impostos na compra de imóvel é o Imposto do Selo. No empréstimo à habitação, o Imposto do Selo pode ser aplicado em duas situações distintas que deve conhecer.

 

Imposto do Selo na compra e venda do imóvel

Em primeiro lugar, existe o pagamento do Imposto do Selo na compra e venda do imóvel. Como tal, na celebração da escritura é necessário que o comprador da casa pague este imposto ao Notário. Neste caso específico, o Imposto do Selo encontra-se nos 0,8%.

Fórmula:

IS = Valor de escritura ou Valor Patrimonial Tributário (o maior) x 0,8%

 

Imposto do Selo no crédito à habitação

Em segundo lugar, e caso exista concessão de empréstimo à habitação, o consumidor deverá pagar Imposto do Selo sobre o valor financiado. Este imposto sobre imóveis será pago no momento em que o montante do financiamento é transferido para a conta bancária do cliente que vai comprar uma nova casa.

Neste caso específico, existem duas incidências diferentes, nomeadamente:

  • Para contratos de crédito com um prazo de pagamento superior a cinco anos, o Imposto do Selo é de 0,6%;
  • Caso o prazo de pagamento seja inferior a cinco anos, a taxa é de 0,5%.

Fórmula:

IS = Valor do crédito à habitação x 0,6%

Tendo conhecimento destes requisitos legais que terá de cumprir, poderá mais facilmente perceber qual o custo real da compra de uma habitação. Fazer as contas ao montante total da compra de uma casa – entre impostos, registos, crédito e outras despesas – ajudá-lo-á a tomar uma decisão consciente e, certamente, mais acertada.

Relacionadas

Vai pedir crédito habitação? Veja os bancos com o spread mais baixo

Descubra quais são os bancos que oferecem os melhores spreads no crédito habitação neste início do ano e garanta a prestação mais baixa.

Como negociar o spread com os bancos? Use estas seis estratégias

Saiba, neste artigo, como negociar uma taxa de juro mais baixa e poupe milhares de euros no seu empréstimo para comprar casa.

Covid-19: é boa altura para pedir ou transferir crédito habitação?

Com bancos a oferecer custos, spreads abaixo de 1% e EURIBOR negativa, esta pode ser a altura ideal para poupar no seu crédito.

Vai pedir crédito? Veja quais são os documentos exigidos

Descubra qual a documentação que tem de apresentar para obter um empréstimo habitação, automóvel ou pessoal.

Sabe quais são as taxas de juro no crédito habitação?

Quando solicita um crédito à habitação, para além de ter de pagar o capital ao banco, são-lhe cobrados custos adicionais, traduzidos em taxas de juro. Conheça, neste artigo, todas as taxas a que está sujeito no pagamento das suas prestações.

A pensar em comprar casa a crédito? Saiba como calcular o LTV

Se está a pensar em comprar casa, há termos com os quais vai ter de lidar e um deles é o Loan-to-Value ou LTV. Descubra, neste artigo, em que consiste e como calcular.
Recomendadas

Saiba aqui quais são as vantagens e desvantagens da utilização de cartões de fidelização

Muitas empresas, desde hipermercados a lojas de pequeno comércio, promovem a adesão a este género de cartões de fidelização, seja com a componente de crédito, seja para pagamento imediato. Para que o consumidor não receba dissabores na vez de descontos, convém que se informe cuidadosamente e conheça os prós e os contra. 

Tem animais de estimação ou pretende adotar um amigo de quatro patas? Saiba que gastos terá de incluir no seu orçamento familiar

De uma forma geral, os custos anuais podem representar cerca de 446 euros para comida, 195 euros para cuidados de saúde, mais 224 euros para cuidados de higiene, além de outras despesas inesperadas. Sendo certo que tudo dependerá do estilo de vida do seu animal doméstico e das suas características físicas. 

O que é uma hipoteca e que cuidados deve ter?

A hipoteca pode ser uma solução para ver o seu crédito aprovado. Descubra se é vantajoso no seu caso e o que fazer, passo-a-passo.
Comentários