Quer trabalhar cinco horas por dia? Então fique longe do telemóvel, diz empresa alemã

Uma empresa na Alemanha está a deixar os funcionários trabalhar apenar cinco horas por dia, desde que eles não se importem de deixar os telemóveis longe da secretária.

O repórter Eric Morath, do Wall Street Journal, noticiou recentemente o caso da Rheingans Digital Enabler, uma empresa de consultoria com sede em Bielefeld, na Alemanha, que opera apenas cinco horas por dia. Lasse Rheingans, diretor da empresa, disse à publicação que implementou um dia de trabalho mais curto para permitir aos funcionários ter mais tempo com os seus filhos.

Mas para garantir que sua empresa possa ter a mesma eficiência num período de tempo menor, Rheingans pediu aos colaboradores para deixarem os telemóveis longe da secretária. Além disso, os trabalhadores só verificam os e-mails da empresa duas vezes por dia e as reuniões geralmente de 15 minutos ou até mais curtas.

Um estudo de 2017 da Universidade do Texas-Austin descobriu que se colocarem um iPhone numa sala de trabalho  (mesmo que desligado), a produtividade de quem estiver presente diminui. O mesmo estudo acrescenta ainda que a criação de mais oportunidades para o equilíbrio entre a vida profissional e a vida privada também pode ajudar a resolver a questão do ‘burnout’ dos funcionários.

Recomendadas

EDP emite 500 milhões de dólares de ‘green bonds’ a 5 anos

Esta emissão destina-se ao financiamento (ou refinanciamento) do portfólio de projetos renováveis elegíveis da EDP, anuncia a empresa.

Metro de Lisboa tem um novo Provedor do Cliente e é o ex-ministro Vieira da Silva

Vieira da Silva foi eleito Provedor do Cliente do Metro de Lisboa, mas é “um contrato de prestação de serviço não remunerado”. O mandato é de um ano, renovável sucessivamente por iguais períodos.

“Nem eu nem a FPF quisemos criar esquema para iludir a AT”, defende selecionador sobre empresa que detém

Fernando Santos pretendia a anulação de liquidação de IRS no valor de cerca de 4 milhões de euros, verba relativa aos anos 2016 e 2017, sabe o JE. O contrato celebrado entre o selecionador e a FPF foi efetuado através de uma empresa, sendo que o respetivo IRC já foi liquidado.
Comentários