“Quero mudar as peças do xadrez”: Português chega ao topo da Federação Internacional de Motociclismo

O português foi o único na corrida eleitoral para suceder ao venezuelano Vito Ippolito, no mais alto cargo da modalidade. Jorge Pessanha Viegas garante: “Vou ter uma gestão muito diferente”.

Jorge Pessanha Viegas, 61 anos, é o novo presidente da Federação Internacional de Motociclismo (FIM), desde 1 de dezembro, quando o organismo realizou a sua assembleia geral, em Andorra. Em entrevista ao Jornal Económico, fala da mudança necessária no motociclismo, do regresso do MotoGP a Portugal e de como Miguel Oliveira mudou a perceção nacional sobre o desporto de duas rodas.

Como é observada a Federação de Motociclismo de Portugal dentro da FIM , tendo em conta o seu papel até mesmo por já ter sido candidato há quatro anos?

Quando precisam de ter uma coisa bem organizada pedem-nos a nós. Até agora temos sido organizadores de confiança e isso enche-nos de orgulho. Já organizámos tudo e mais alguma coisa.

O que propõe para o futuro da FIM?

Há uma que tem merecido protagonismo na minha carta de candidatura, que é voltar a consultar e dar poder às federações nacionais em tudo o que são decisões estratégicas. Desde há quatro anos, a FIM transformou-se numa instituição totalmente gerida e comandada pela própria administração – há uma administração que não tem a ver com a federação, são pessoas contratadas e eles têm passado por cima das federações. Não estou nada satisfeito com isso, e digo-o abertamente. Existe uma direção que é constituída por pessoas eleitas, como é o meu caso, mas que tem sido apenas informada das decisões. É uma direção que não é consultada, embora represente os acionistas: o que acontece é que as federações, que são os acionistas, quando chegam às assembleias gerais, que ocorrem uma vez por ano, não têm qualquer poder e já está tudo mais que decidido. E eu quero, para além de outras questões de organização interna, centrar o verdadeiro poder estratégico – não o executivo – nas federações nacionais.

Será esse o maior desafio da FIM?

A FIM está bem financeiramente, não está bem organizacionalmente, e o meu grande desafio é reorganizar. Eu quero mudar as peças do xadrez.

O que pensa da gestão do seu antecessor na presidência da FIM? Espera encontrar coligações negativas naquilo que quer mudar na organização?

A única coisa que posso afirmar é que vou ter uma gestão muito diferente e não vai haver qualquer problema, porque  pretendo fazer alterações cirúrgicas que vão alterar por completo a maneira como a FIM tem vindo a ser gerida. Espero que a transição se faça de uma forma completamente amigável e pacífica. Estou um bocadinho preocupado com isso, mas são coisas internas da FIM – o atual presidente estava a apoiar o outro candidato [o austríaco Wolfgang Srb desistiu da corrida eleitoral], daí que não esteja muito satisfeito com o que se está a passar.

Existe alguma aspiração de alguma das modalidades do motociclismo passar a desporto olímpico?

Se temos ambição em participar nos Jogos Olímpicos (JO)? Sim. Já participámos nos Jogos Mundiais, na Polónia – que é uma prova que reúne as disciplinas que não entram nos JO – na modalidade Speedway, que foi a modalidade de demonstração e aquela que reuniu mais público. Nós temos a ambição de conseguir que o Trial com motos elétricas seja uma das modalidades de demonstração e que venha a fazer parte dos JO de Paris [em 2024]. Esse é o nosso objetivo e vamos tentar, porque é uma modalidade que não tem a ver com o motor, mas com a destreza e isso enquadra-se na carta olímpica. Além disso, como se pratica com motores elétricos não tem qualquer problema ambiental.

Como vai o motociclismo em Portugal?

Vai bem, embora não tão bem como queríamos. Em Portugal, a modalidade-forte é o Todo-o-Terreno e o Enduro – tivemos dois campeões do mundo em Todo-o-Terreno, que foram o Hélder Rodrigues e o Paulo Gonçalves. Agora, o Miguel Oliveira foi o acelerador para o surgimento de muitos mais miúdos e mais gente interessada na velocidade. Mas não conseguimos uma massificação no recrutamento de pilotos, embora a partir do momento em que apareceu o Miguel Oliveira as coisas mudaram e, agora, os país já começam a levar os filhos, que querem imitar o Miguel Oliveira.

Portugal tem potencial para “produzir” mais pilotos como Miguel Oliveira?

Capacidade tem. Espero que o Miguel Oliveira não seja caso único. Ainda não foi campeão do mundo, infelizmente – foi vice-campeão duas vezes – mas nós tivemos um  campeão do mundo em Motocross e dois campeões do mundo no Todo-o-Terreno. Não vai levar muito tempo até aparecerem mais pilotos com capacidade para irem para um campeonato do mundo. Vão aparecer mais, em breve.

Quando é que Portugal volta a ter uma prova do campeonato do mundo?

Isto é recente, mas o Governo português decidiu recuperar o MotoGP para o autódromo de Portimão, e não para o Estoril. Eu fui contactado pelo Paulo Pinheiro, que é o gestor do autódromo, e já tive reuniões com a Dorna [empresa promotora]. Vai ocorrer, na próxima semana, uma reunião entre ele e a Dorna, em Madrid, e estamos a tentar recuperar o Grande Prémio. Isto, passa por haver uma disponibilidade de verbas para se pagar o espectáculo, mas, por outro lado, não há vagas no calendário pelo menos até 2021 – em principio, mas pode haver uma desistência. O facto de passar a presidente da federação vai ter influência, e até já falei com o promotor. Só se não houver mesmo possibilidade é que não vamos ter de volta o MotoGP. Os circuitos europeus têm todos contratos até 2021.

Mas depois de 2021 é certo?

Isso é uma questão que é dirimida entre o promotor, que é a Dorna, e o circuito, até porque é preciso assegurar determinadas verbas e alguém que financie – pode ser o Governo, através daqueles fundos para o turismo, como aconteceu com a Web Summit, por exemplo.

E como é esse processo de atribuição?

É tudo uma questão contratual:  chegar a acordo nas verbas e, quanto ao resto, nós temos mais do que capacidade para organizar. E há uma questão de calendário, até porque a procura é muita. A vantagem que podemos retirar de eu passar a presidente da FIM é nós passarmos à frente da fila de espera de uma série de países.

Nota: Jorge Pessanha Viegas, já assumiu o cargo de presidente da Federação Internacional de Motociclismo.

Artigo publicado na edição 1964, do dia 23 de novembro, do Jornal Económico

Recomendadas

SAD do Sp. Braga com resultado positivo de 3,1 milhões de euros na época passada

Relativamente ao exercício financeiro que terminou a 30 de junho deste ano, que ainda não refletem a venda do passe futebolístico do defesa central David Carmo (transferência fechada para o FC Porto na ordem dos 20 milhões de euros), a SAD dos bracarenses destaca que este foi um período “pautado por múltiplos constrangimentos associados à pandemia”.

“Jogo Económico”. “Não é aceitável que as claques sejam instrumentalizadas para satisfazer atitudes tribais”

Emanuel Macedo de Medeiros, o português que lidera a Sport Integrity Global Alliance foi o convidado da última da edição do programa “Jogo Económico”, da plataforma multimédia JE TV, e abordou a génese dos problemas que se eternizam no futebol em Portugal e apontou caminhos.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira, 28 de setembro

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta quarta-feira.
Comentários