PremiumQuinta das Carvalhas, dez anos é muito vinho

No dia 10 de outubro, no âmbito da feira Grandes Escolhas Vinhos &Sabores 2022, teve lugar uma memorável prova vertical da última década do vinho Quinta das Carvalhas, Vinhas Velhas, da Real Companhia Velha (RCV).

No dia 10 de outubro, no âmbito da feira Grandes Escolhas Vinhos &Sabores 2022, teve lugar uma memorável prova vertical da última década do vinho Quinta das Carvalhas, Vinhas Velhas, da Real Companhia Velha (RCV).

A prova, que abrangeu as colheitas de 2010 a 2019, apresentada em première e com lançamento previsto apenas para o próximo ano, foi conduzida pela dupla Jorge Moreira, diretor de enologia da RCV, e Álvaro Martinho Lopes, responsável pela viticultura da Quinta das Carvalhas. Acompanhados por Pedro Silva Reis, filho, representante da nova geração da família à frente da RCV. São dele as palavras de enquadramento: “Em 1953, o meu avô comprou a empresa Miguel Guedes, que incluía a Quinta das Carvalhas, que acreditamos ser a nossa quinta mais especial. Na altura, não havia enólogos, nem agrónomos. Hoje em dia, é a nossa casa de família e o local onde aprendemos muito sobre viticultura e enologia”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

“Annie Ernaux, os anos super 8”: juntar o íntimo ao social e à História

O público português pode marcar encontro com a escritora francesa Annie Ernaux, Nobel da Literatura 2022. No grande ecrã, estreia um documentário que é também um retrato social, a 15 de dezembro, e nas livras irá encontrar a reedição de uma obra sua esgotada há 20 anos.

António Costa e a maldição do sete. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes”

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Didier Fiúza Faustino: 30 anos a questionar

Os projetos do “artista-arquiteto” franco-português, como o próprio se define, são marcados pelo questionamento do papel político da criação e da nossa posição enquanto sujeitos e cidadãos. O MAAT, em Lisboa, dedica-lhe uma retrospetiva que Faustino vê mais como um exercício prospetivo.
Comentários