PremiumQuinta do Pôpa: Sonhar, criar e celebrar

Tem por lema “Dream, Create, Celebrate”, três princípios que se adequam na perfeição à quadra natalícia que atravessamos, mesmo que não nas melhores circunstâncias.

Tem por lema “Dream, Create, Celebrate”, três princípios que se adequam na perfeição à quadra natalícia que atravessamos, mesmo que não nas melhores circunstâncias. A Quinta do Pôpa (QP) está situada na encosta de Adorigo, localidade do concelho de Tabuaço; entre a Régua e o Pinhão, num troço da EN222, já considerada a mais bela estrada do Mundo para se conduzir. É literalmente uma ‘janela’ sobre o Douro, incluindo o rio e a esplêndida paisagem vinhateira. Um projeto que, desde a sua génese, primou pela diferença e irreverência. Resultado do sonho do duriense Pôpa, concretizado pelo seu filho Zeca e celebrado pelos seus netos.

“A história desta Quinta tem origem no nome que lhe dá vida. Pôpa era a alcunha de Francisco Ferreira, bastardo de um grande lavrador duriense, que viveu a sua vida sem ser reconhecido como filho e irmão. Sempre trabalhou na vinha e no fruto que deu de comer a quem o negligenciou, enquanto ele, a sua mulher e os seus filhos passaram fome. O seu maior sonho era ter um pedaço de terra no Douro, onde pudesse produzir o seu próprio vinho. Não o conseguiu realizar, ele próprio, mas o sonho foi agarrado por um dos seus filhos, José Ferreira, conhecido como Zeca do Pôpa.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumPreservar o mirandês num mundo onde as línguas regionais estão em extinção

Em Terra de Miranda, há elementos da sociedade civil que não deixam esmorecer uma causa que entendem ser nacional e não apenas regional: a preservação da língua e cultura mirandesa. As suas propostas constam do Roteiro para a região, já apresentado aos decisores políticos e assente numa visão de futuro.

2022, ano de esperança: “recuperação criativa e comercial”

O que procura o consumidor num relógio? “Atualmente os clientes compram um relógio pela beleza da peça. Usam-no como uma joia e não como uma ferramenta”, diz Carlos Rosillo, CEO da Bell & Ross.

“Vamos manter a nossa presença no mercado e surpreender!”

A coleção de Natal que Eugénio Campos nos traz este ano é “acima de tudo, uma coleção com muita criatividade, inspirada na família e no sentimento, e pensada para que seja uma coleção de gerações”, garante o seu criador.
Comentários