‘Quo vadis’ Europa?

É bom consciencializarmo-nos que a UE se encontra num ciclo de desagregação. Há que perceber, uma vez por todas, que este modelo de construção europeia não vai vingar e tem de ser repensado.

Passadas quase três décadas da assinatura do Tratado de Maastricht que abriu as portas à moeda única e o caminho para a criação de uma união política da Europa, leia-se, Europa federal, vale a pena fazer um ponto de situação.

O processo da federalização europeia é um processo original. Enquanto que a criação de Estados Federais foram processos top down (o caso dos Estados Unidos envolveu uma guerra civil dolorosa e cruel como, aliás, são todas as guerras civis), o caso europeu é único, funcionando bottom up, partindo do económico para o político. Sendo uma experiência única, deveria merecer um tratamento particularmente cauteloso.

A nova Alemanha (unificada) impôs aos seus parceiros europeus uma moeda única concebida à semelhança do Marco, que lhe veio proporcionar enormes vantagens. A Alemanha ditou ainda aos seus parceiros o alargamento para o Leste europeu, região de interesse crucial para a sua expansão económica (e não só). A reboque dos interesses alemães, foram incorporados na Comunidade Europeia países que não reuniam condições políticas ou económicas para tal. Os resultados nefastos dessas decisões estão à vista de todos. Uma vez mais, prevaleceram os imperativos estratégicos, o que levou a um indesejável strategic overstrech da Comunidade.

Não tirando as devidas ilações destes erros, a União prepara-se para incorporar novos países com problemas internos não resolvidos, e assim importar os seus problemas. Interessante sublinhar que estes casos vieram mostrar as limitações das teorias das relações internacionais liberais institucionalistas no que respeita à adoção na ordem política interna das regras e normas prevalecentes nas organizações internacionais que integram.

O reforço da centralização do poder e a marginalização dos pequenos Estados (19 Estados-membros têm dez milhões de habitantes ou menos) de decisões  importantes foram consequências da nova correlação de forças que emergiu após Maastricht em que a Alemanha foi a grande ganhadora. Estas relações de soma nula criaram frustrações e ressentimentos nos pequenos Estados devidamente exploradas por forças nacionalistas que vão surgindo aqui e acolá, e contribuíram decisivamente para a implosão do centro político que se tem vindo a verificar.

Ao deficit democrático, à centralização do poder, à falta de solidariedade manifestada durante a recente crise económica veio juntar-se recentemente o Brexit e o problema da emigração ilegal para o qual a União não consegue apresentar soluções razoáveis.

É bom consciencializarmo-nos que a União Europeia se encontra num ciclo de desagregação. Há que perceber, uma vez por todas, que este modelo de construção europeia não vai vingar e tem de ser repensado. A construção da Europa não vai ser feita por uma vanguarda esclarecida à revelia dos seus povos. Apesar de todas as contrariedades conhecidas, à semelhança da orquestra do Titanic, tem-se procurado “avançar a todo o vapor” (para a União Política), recuperando uma expressão muito querida da juventude de um antigo presidente da Comissão.

É mais do que tempo para se repensar o projeto europeu noutros termos. O atual modelo está condenado ao fracasso. É apenas uma questão de tempo. Só faltava ser acelerado pela vitória da “Frente Nacional” nas próximas eleições em França.

Recomendadas

A voz da metamorfose

Arquitetos e urbanistas são chamados a desenhar soluções criativas integradas em estratégias maiores, onde é dada voz a uma consciência social e política que tem especial atenção a contextos sociais diversificados.

Portugal perde com a Roménia e falha ‘final four’

As grandes transformações económicas e sociais de que o país precisa para corrigir a trajetória da divergência em relação à Europa não dependem da quantidade de dinheiros comunitários. Depende da conceção estratégica que se quer para Portugal.

Uma estagnação sem mistério

Nem numa área que é querida pelo Governo e que se tornou mais urgente e importante com a invasão da Ucrânia, a energia renovável, a administração pública funciona.
Comentários