Rácio do crédito vencido das famílias desce em novembro

Estatísticas do Banco de Portugal mostram descida nos rácios do crédito vencido referentes a famílias e sociedade não financeiras.

O rácio do crédito vencido das famílias caiu em novembro de 2016 face ao mês anterior, uma situação que está relacionada com a venda de crédito vencido. As estatísticas sobre empréstimos concedidos pelo setor financeiro foram publicadas esta terça-feira pelo Banco de Portugal.

“O rácio de crédito vencido diminuiu 0,2 p.p. [pontos percentuais], para 5,1%, influenciado pela redução de 0,8 p.p. na finalidade de consumo e outros fins. A percentagem de devedores do setor das famílias com crédito vencido diminuiu 0,4 p.p. em relação a outubro, fixando-se em 13,7%. A melhoria observada nestes indicadores justifica-se, essencialmente, por vendas de crédito vencido”.

A taxa de variação anual (tva) dos empréstimos a famílias portuguesas ficou nos -1,5% em novembro, o que significa uma subida de 0,1 ponto percentual em relação ao mês anterior. No que diz respeito à habitação, a taxa de variação anual foi -2,6%, ou seja, uma diferença de 0,1 ponto percentual em relação aos números de outubro. Consumo e outros fins registam uma taxa de variação anual de  3,4% e uma variação de -0.1 ponto percentual face ao mês anterior.

A taxa de variação anual dos empréstimos a sociedades não financeiras ficou nos -2,6% em novembro, depois dos -2,4% do mês anterior. “O rácio de crédito vencido das SNF diminuiu 0,1 p.p., para 16,6%. A percentagem de devedores com crédito vencido também se reduziu, 0,6 p.p., fixando-se em 28,3%”, refere o Banco de Portugal.

“Os empréstimos às empresas privadas exportadoras apresentaram uma tva de -0,5%, refletindo uma melhoria de 0,1 pontos percentuais (p.p.) em relação a outubro.” Estas empresas, registaram um rácio de crédito vencido de 7,4%, sendo que a quantidade de devedores com crédito vencido baixou para 10,4%, uma descida de 0,4 pontos em relação a outubro.

 

 

Relacionadas

Receita do adicional ao IMI pode ser diminuta e não afasta investidores estrangeiros

Luís Lima, presidente da APEMIP, revela que a receita do adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis – IMI deverá ser diminuta e se, “não houver mais asneiras”, os investidores estrangeiros vão continuar a apostar em todo o país.

Proteger a habitação contra tudo e todos? É possível?

O mercado nacional dá claros sinais de que os riscos sísmicos e de catástrofes naturais, sobretudo envolvendo água, ganham terreno. Mas também os tecnológicos se perfilam para “abalar” a segurança das nossas casas.

Aviso do BE ao Governo: “Continuam a vender produtos de risco aos balcões dos bancos”

Catarina Martins diz ser necessário “parar os lesados” e aponta o dedo à solução do Governo, que não cobre todos os injuriados pela banca.
Recomendadas

Novas tabelas do IRS de julho mostram taxa efetiva de imposto

As tabelas com o novo modelo de retenção na fonte do IRS que chegam em 1 de julho têm uma coluna com a taxa efetiva da retenção mensal contemplando uma parcela a abater de valor fixo por dependente.

IRS. Novas tabelas isentam de imposto salários e pensões até 762 euros (com áudio)

O valor a partir do qual os salários e pensões fazem retenção de IRS aumenta em janeiro para 762 euros, segundo as novas tabelas que serão hoje publicadas para vigorar até à entrada do novo modelo de retenção, em julho.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

A semana arranca com o embargo ao petróleo russo e com dados sectoriais vindos dos Estados Unidos, mas pelo meio há decisões importantes a ser tomadas na Austrália. Já na Zona Euro, saberemos como está o emprego e o PIB a evoluir no terceiro trimestre.
Comentários