Racismo. Em quatro anos foram aplicadas penas disciplinares a 11 elementos da PSP, GNR e SEF

Onze elementos da PSP, GNR e SEF foram alvo de processos disciplinares por racismo ou ódio nos últimos quatro anos, existindo ainda 18 casos pendentes na Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI), revelou hoje o Ministério da Administração Interna (MAI).

Entre 2018 e este ano foram abertos 36 procedimentos disciplinares a militares da GNR, agentes da PSP e inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) por comportamentos ou atitudes racistas, xenófobas e radicais no desempenho de funções ou resultantes de publicações nas redes sociais, segundo dados do MAI enviados à Lusa.

Destes 36 processos abertos, 11 já foram concluídos e resultaram em penas disciplinares, nomeadamente a expulsão de um agente da PSP.

Os dados do MAI foram divulgados após a divulgação de uma reportagem de um consórcio português de jornalismo de investigação, que inclui jornalistas, advogados e académicos, e que mostra que as redes sociais são usadas para fazer o que a lei e os regulamentos internos proíbem, com base em mais de três mil publicações de militares da GNR e agentes da PSP, nos últimos anos.

No caso da Guarda Nacional Republicana, entre 2018 a 2022, um militar foi alvo de uma pena disciplinar de repreensão escrita agravada e a um outro foi aplicada a pena de 45 dias de suspensão agravada, bem como a sua transferência compulsiva pelo período de quatro anos.

Foram ainda remetidos à IGAI três procedimentos disciplinares relativos a 17 arguidos militares da GNR, sendo que a um deles foi aplicada a pena disciplinar de “separação de serviço”.

Em relação à Polícia de Segurança Pública, entre 2019 a 2022, dois agentes foram alvo de multas, três foram suspensos, um teve como pena disciplinar a repreensão e outro polícia foi demitido.

Neste momento estão pendentes nove procedimentos disciplinares em relação a agentes da PSP.

O MAI indica ainda que há um procedimento disciplinar aplicado a um inspetor do SEF, o qual se encontra com a tramitação suspensa a aguardar a decisão de um tribunal.

Atualmente, estão ainda pendentes nove procedimentos disciplinares em relação a inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

Na quarta-feira, após a divulgação do trabalho jornalístico, o Governo anunciou que a Inspeção-Geral da Administração Interna vai abrir um inquérito a este caso das publicações nas redes sociais, por agentes das forças de segurança, que alegadamente incitam ao ódio e à violência.

Recomendadas

Imigrantes da rede desmantelada no Alentejo vão ter plano de intervenção individual

As equipas sociais que acompanham as vítimas da rede de tráfico de imigrantes desmantelada no Baixo Alentejo começaram a preparar “planos de intervenção” para cada pessoa.

PJ deteve suspeito de duas tentativas de homicídio ocorridas na Figueira da Foz

Um homem de 31 anos foi detido por ser suspeito de duas tentativas de homicídio ocorridas junto de um espaço de diversão noturna da cidade da Figueira da Foz, anunciou hoje a Polícia Judiciária (PJ).

Procuradoria Europeia deu “novo impulso” a investigação de fraude nascida em Portugal

A Procuradoria Europeia revelou-se decisiva para dar um “novo impulso” à investigação da atividade fraudulenta presente na ‘Operação Admiral’, que nasceu em Portugal e culminou hoje em 14 detenções a nível nacional, confirmou o procurador europeu José Guerra.
Comentários