Rajoy recusa reunir-se com ex-presidente da Generalitat

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, rejeitou hoje o pedido do ex-presidente do governo catalão Carles Puigdemont para um encontro sem condições após a vitória do campo separatista na Catalunha.

Em resposta à proposta de diálogo emitida por Puigdemont desde Bruxelas, onde está exilado, Rajoy disse que apenas está disposto a conversar com quem venceu as eleições na Catalunha “que é a senhora [Inés] Arrimadas”, a cabeça de lista do partido anti-independência Cuidadanos que garantiu mais deputados no parlamento catalão.

O chefe do Executivo de Madrid acrescentou ainda que terá de falar “com a pessoa que exerça a presidência da Generalitat”, que “terá de tomar posse, ser eleito e estar em condições de falar” consigo.

Rajoy também advertiu que a situação processual de Carles Puigdemont e dos restantes dirigentes independentistas catalães indiciados em processos judiciais, alguns deles detidos, não depende “em absoluto” do resultado das eleições autonómicas de quinta-feira, mas das decisões dos juízes.

“São os políticos que se devem submeter à justiça como qualquer cidadão, e não a justiça que deve submeter-se a qualquer estratégia política”, disse Rajoy durante uma conferência de imprensa no palácio de la Moncloa, a sua residência oficial.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Metade do tráfego aéreo nacional está fora de Lisboa, lembra Secretária de Estado do Turismo

A secretária de Estado do Turismo pediu aos empresários que não baixem braços enquanto continua a discussão em torno do novo aeroporto para a capital, elogiando ainda o trabalho de angariação de rotas que foi feito durante a pandemia pelo Turismo de Portugal.

Banco de Portugal. “Espera-se que haja arrefecimento da atividade económica”

“É de esperar que o aumento da inflação e taxas de juro traga redução do rendimento disponível das famílias e que os níveis de consumo terão que ser reduzidos”, reconheceu o novo administrador do Conselho de Administração do Banco de Portugal (BdP), Rui Miguel Correia Pinto.
Comentários