Rangel compromete-se a dar “todo o apoio” a Rio nas legislativas

O candidato derrotado à liderança do PSD, Paulo Rangel, considerou hoje que as eleições internas “não enfraqueceram”, mas reforçaram o partido, comprometendo-se a dar todo o apoio a Rui Rio para “dizer basta de PS” nas próximas eleições.

“Ao contrário do que muitos diziam, as eleições internas não enfraqueceram nem debilitaram o PSD. As eleições internas reforçaram, credibilizaram e legitimaram o PSD e a sua liderança como a única e verdadeira alternativa ao PS e ao seu Governo de estagnação e impasse”, disse Paulo Rangel na sua intervenção no 39.º Congresso Nacional do PSD.

Aceitando “os resultados renhidos, mas claros” que ditaram a sua derrota, o eurodeputado do PSD assumiu um compromisso: “sem abdicar das minhas convicções, disponível para servir Portugal, os portugueses e o PSD, no presente e no futuro como sempre estive no passado, dou e darei todo o meu apoio ao partido e ao presidente nesta pré-campanha e em toda a campanha eleitoral”.

“O projeto do PS e do seu líder exauriu-se, esgotou-se, apagou-se”, defendeu, considerando que está na hora de dizer “basta de PS” e de “gerar uma alternativa forte, galvanizadora, capaz de devolver esperança aos portugueses”.

Recomendadas

José Luís Carneiro, das comunidades portuguesas no estrangeiro à Administração Interna

José Luís Carneiro é o novo ministro da Administração Interna e regressa a um ministério no qual já desempenhou o cargo de assessor entre 1999 e 2000. O antigo secretário de Estado das Comunidades Portuguesas tem uma forte ligação ao poder local.

PS conquista dois mandatos do círculo da Europa e reforça maioria absoluta para 120 deputados

Depois de na primeira votação, a 30 de janeiro, PS e PSD terem conquistado um mandato cada um no círculo da Europa, na repetição da votação, o PS acabou por eleger o cabeça-de-lista pelo círculo, Paulo Pisco, mas também o segundo nome na lista, Nathalie de Oliveira.
eleições_legislativas_voto_urna_votar

Legislativas: Governo diz que votaram 152 emigrantes no fim de semana

Segundo o Governo “esse número representa um acréscimo de 31% face aos 116 cidadãos que exerceram o seu direito de voto presencial” a 30 de janeiro.
Comentários