Ranking dos banqueiros centrais: O meu ganha mais que o teu

Apesar de figurar na segunda metade do ranking da União Europeia, o Governador do Banco de Portugal bate o seu homólogo dos EUA com um vencimento anual de 217 mil euros.

Mario Proença/Bloomberg

A Bloomberg divulgou a tabela do ranking dos banqueiros centrais onde existe um líder incontestado: Jan Smets, economista belga, é o banqueiro central que mais aufere na União Europeia. O vencimento de 480 mil euros destaca-se por ser destacadamente superior ao de economias com outra visibilidade e competitividade: Alemanha e Itália. Mas não só.

Comparado com Jan Smets, Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu, pode reclamar o seu vencimento. É que o italiano que lidera os destinos do BCE está fora do pódio dos que mais auferem em toda a Europa: quarto lugar para Draghi, que declara um salário de 386 mil euros anuais.

Tal como noutros rankings, Portugal não se encontra em grande destaque mas ainda assim, surge à frente do homólogo espanhol: Carlos Costa ganha 217 mil euros anualmente. Desta forma, o ranking da Bloomberg não permite relacionador o vencimento dos governadores centrais com o desempenho das diferentes economias.

Fora da União Europeia vêm as grandes surpresas, sobretudo pela disparidade: Janet Yellen, presidente da Reserva Federal dos EUA, aufere 188 mil euros, menos 29 mil euros do que o Governador do Banco de Portugal. Mark Carney, Governador do Banco de Inglaterra surge na lista com 564 mil euros por ano e o banqueiro central da Suíça é o que mais aufere em todo o mundo: Thomas Jordan ganha por ano 816 mil euros.

Recomendadas

Albergaria investe 3,7 milhões de euros na zona industrial para captar investimento e criar emprego

O município “tem realizado um forte investimento no desenvolvimento económico, dinamizando o sector empresarial e a economia local” nos últimos anos, segundo António Loureiro, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha.

SIC: Alargamento da dedução dos juros da habitação em sede de IRS poderá abranger mais de 660 mil famílias

Segundo a SIC Notícias, se a medida for incluída no Orçamento do próximo ano, como se espera, poderá abranger mais de 660 mil famílias. 

Escalões do IRS deverão subir entre 3,53% e 4,43%

Para já, pouco se sabe em relação ao Orçamento de Estado do próximo ano. O Governo esteve reunido ontem para aprovar a proposta em Conselho de Ministros extraordinário e o ministro das Finanças tem reuniões marcadas com os partidos com assento parlamentar na sexta-feira.
Comentários