Raras e valiosas: Moedas de ouro portuguesas avaliadas em 64 mil euros

Em leilão estão mais de cem moedas de ouro portuguesas, do tempo de D. João V, cuja moeda mais valiosa é um dobrão de 24.000 reis de 1725, avaliado em mais de nove mil euros.

Está a decorrer um leilão de moedas portuguesas, incluindo “mais de cem exemplares raros da numismática de D. João V”, no portal de leilões Catawiki. Até dia 27 de dezembro é possível licitar um exemplar de uma coleção avaliada em 64 mil euros.

A coleção numismática em causa representa o reinado de D João V e é conhecida como a mais rica da monarquia portuguesa. Segundo um comunicado, enviado à redação, há uma moeda que poderá alcançar um valor superior a 9 mil euros. Trata-se de um dobrão de 24.000 reis de 1725, um exemplar “bastante raro”. Está também em leilão uma moeda de ouro de 6.400 reis, avaliada em mais de 1.700 euros.

De acordo com o especialista português em numismática Hélder Silva, estas moedas são relevantes “não só pelo valor histórico que representam, mas também pela raridade”.

Em termos numismáticos, o reinado de D. João V deixou um legado considerado um dos mais importantes em todo o mundo. Foi no reinado de D. João V que se cunhou a Dobra de 24 Escudos, a maior moeda cunhada em Portugal e uma das maiores no mundo.

“D. João V mandou cunhar moedas em todo o mundo, mas foi nas casas de moeda da Baía, do Rio de Janeiro, e de Minas Gerais que se criaram grande parte das raridades ‘joaninas’ apresentadas neste leilão”, explicou o especialista em numismática.

Recomendadas

Novobanco pesou 37,6% do dinheiro injetado pelo Estado na banca desde 2008 até 2021

A CGD beneficiou de 5.458 milhões de euros; o BES/Novobanco recebeu 8.291 milhões (valor do saldo negativo para o Estado); o BPN consumiu 6.146 milhões; o BPP beneficiou de 268 milhões e o Banif 2.978 milhões. Isto são as causas para o saldo desfavorável para o Estado que soma 22.049 milhões de euros.

Governos podem precisar de taxar empresas de energia para ajudar os mais pobres, diz CEO da Shell

O presidente executivo da Shell considera que o mais importante é “proteger os mais pobres” e como tal os governos podem vir a precisar de taxar empresas de energia. “Há uma discussão a ser feita sobre isso, mas acho que é inevitável” a necessidade de intervenção, considerou.

TdC identifica mais de 12 mil milhões de euros de despesa com 186 benefícios fiscais em 2021

O organismo alerta para a inconsistência com os 336 benefícios mencionados pela Autoridade Tributária, para a concentração do recurso a estas medidas em poucos beneficiários e para a falta de avaliação quanto ao impacto real das mesmas.
Comentários