Antigas governantes dizem que nunca fizeram parte do conselho consultivo da Raríssimas

O conselho consultivo da associação é constituído por Leonor Beleza, enquanto presidente, Maria de Belém Roseira, Fernando Ulrich, Isabel Mota, Pedro Pitta Barros, António Cunha Vaz e Roberto Carneiro, como vogais, entre outros nomes.

Membros do conselho consultivo da Raríssimas estão a demarcar-se da associação, segundo o semanário Expresso. Agora, com a polémica espoletada por uma reportagem da TVI, alguns responsáveis da associação dizem que nunca participaram em qualquer reunião, ou nem sequer sabiam que o seu nome constava dos órgãos sociais da instituição.

Maria da Graça Carvalho, antiga ministra da Ciência e Ensino Superior, e Maria de Belém Roseira, antiga ministra da Saúde, são alguns dos membros do conselho diretivo que negaram colaborar com a instituição.

Ao semanário, Maria da Graça Carvalho, antiga ministra da Ciência, Inovação e Ensino Superior, garantiu não ser membro do conselho consultivo e que nem sequer sabia que o seu nome constava nos registos oficiais. A antiga governante contou que  visitou a Raríssimas “uma única vez”, em 2014.

Maria de Belém Roseira, por sua vez, disse à revista Sábado, que não faz parte do conselho consultivo da associação. “Fui convidada para o conselho consultivo, mas nunca tomei posse. Não assinei nada, papel nenhum. Nunca participei em nada, nunca fui convocada para reuniões”, afirmou.

Outro caso que o Expresso destaca é o de Isabel Mota. A atual presidente da Gulbenkian é, desde 2014, vogal do conselho consultivo da Raríssimas, embora nunca tenha sido convocada para uma reunião.

De acordo com informação oficial, da base de dados do Ministério da Justiça veiculada pelo Informa, o conselho consultivo da associação Raríssimas é constituído por Leonor Beleza, enquanto presidente, Maria de Belém Roseira, Fernando Ulrich, Isabel Mota, Pedro Pitta Barros, António Cunha Vaz e Roberto Carneiro, como vogais, entre outros nomes.

Relacionadas

Mais de 1.600 fiscalizações e 71 propostas de destituição a IPSS em três anos

Das 1.615 ações de fiscalização, 588 foram auditorias jurídicas e financeiras a Instituições Particulares de Solidariedade Social.

Raríssimas: Delegação Centro quer destituição da presidente em assembleia geral

A delegação Centro da Raríssimas requereu na segunda-feira a convocação de uma assembleia-geral para deliberar sobre a destituição da presidente.

Raríssimas recebeu 2,7 milhões de euros da Segurança Social

Só em 2017, a Instituição Particular de Solidariedade Social recebeu cerca de 606 mil euros, entre valores pagos no âmbito da rede nacional de cuidados continuados e dos acordos de cooperação que mantinham a funcionar as valências.
Recomendadas

Eutanásia: “Matéria de elevada sensibilidade que não parece que deva ser referendável”, diz PAN

Inês de Sousa Real destacou que o projeto da Eutanásia “já atravessou várias legislaturas com várias consultas públicas, inclusive áreas da medicina e também saúde mental”.

ISP: “Medida injusta e mesquinha”. Saiba o que dizem os partidos sobre os ajustes do Governo

Os partidos com representação parlamentar demonstram-se contra a posição tomada pelo Executivo de António Costa relativamente ao ISP.

Eutanásia. PSD justifica referendo com “caminho de não retorno” em matéria de “interesse nacional”

O projeto de resolução do PSD de referendo sobre a despenalização da eutanásia, hoje revelado, defende a consulta popular por considerar que está em causa “uma questão de relevante interesse nacional” que implica “um caminho de não retorno”.
Comentários