Raríssimas: Costa poderá pôr Pedro Marques no lugar de Vieira da Silva

O CM escreve que entre os membros do Governo não está excluída a hipótese de Vieira da Silva se ver forçado a abandonar o cargo de ministro da Segurança Social devido às ligações à Raríssimas.

O escândalo da Raríssimas está a tornar o lugar de Vieira de Silva como ministro da Segurança Social frágil. António Costa já disse que “total confiança política” no ministro, mas poderá já ter um plano caso Vieira da Silva seja forçado a sair, segundo noticia este sábado o Correio da Manhã.

Pedro Marques, atual ministro do Planeamento e das Infraestruturas e anterior secretário de Estado da Segurança Social, poderá ficar com o lugar de ministro da Segurança Social se Vieira da Silva se demitir, ao que o CM apurou. Susana Amador, ex-líder da Câmara de Odivelas e próxima de Pedro Marques, poderá tornar-se a secretária de Estado da Segurança Social.

O CM escreve que entre os membros do Governo não está excluída a hipótese de Vieira da Silva se ver forçado a abandonar o cargo por ter sido, entre 2013 e 2015, vice-presidente da assembleia geral da associação Raríssimas, que está envolta num escândalo de gestão danosa. O mesmo já aconteceu com o secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado.

Sobre o assunto, Vieira da Silva já disse estar “completamente tranquilo com a minha atuação ao longo destes anos quer fora, quer dentro do Governo”.

Relacionadas

Raríssimas: Ministério Público investiga desvios de dinheiro da delegação norte

Na entrevista ao programa Sexta às Nove, da RTP, a primeira que concedeu desde que o caso foi denunciado no passado fim de semana pela TVI, Paula Brito e Costa relatou que, mal teve conhecimento da situação, a denunciou ao presidente do conselho fiscal e depois à assembleia-geral, que autorizou uma auditoria da empresa PKF à delegação do norte da associação.
Recomendadas

Eutanásia: “Matéria de elevada sensibilidade que não parece que deva ser referendável”, diz PAN

Inês de Sousa Real destacou que o projeto da Eutanásia “já atravessou várias legislaturas com várias consultas públicas, inclusive áreas da medicina e também saúde mental”.

ISP: “Medida injusta e mesquinha”. Saiba o que dizem os partidos sobre os ajustes do Governo

Os partidos com representação parlamentar demonstram-se contra a posição tomada pelo Executivo de António Costa relativamente ao ISP.

Eutanásia. PSD justifica referendo com “caminho de não retorno” em matéria de “interesse nacional”

O projeto de resolução do PSD de referendo sobre a despenalização da eutanásia, hoje revelado, defende a consulta popular por considerar que está em causa “uma questão de relevante interesse nacional” que implica “um caminho de não retorno”.
Comentários