Raríssimas é alvo de investigação do Ministério Público desde novembro

A primeira reação oficial às irregularidades descobertas pela TVI surgiu no domingo. Em comunicado, o Ministério da Segurança Social comunicou que vai “avaliar” os factos relatados e que vai agir “em conformidade”.

Baz Ratner/REUTERS

A Procuradoria-Geral da República (PGR) tinha sido alertada para as possíveis irregularidades na instituição Raríssimas, no final de novembro, através de uma denúncia anónima. A denúncio tinha sido feita ao Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP), segundo confirmou o gabinete da Procuradoria-Geral da República (PGR).

“Confirma-se a existência de um inquérito a correr termos no [Departamento de Investigação e Ação Penal] de Lisboa. Não tem arguidos constituídos. As investigações relacionadas com a matéria tiveram início em finais de novembro e origem numa denúncia anónima”, refere a PGR, em resposta enviada à agência Lusa.

Numa reportagem da jornalista Ana Leal, transmitida na TVI este sábado, foram trazidos a público detalhes sobre a gestão da associação, que apontam para o uso de fundos da instituição para despesas pessoais elevadas em vestuário e deslocações por parte de Paula Brito da Costa.

A reportagem dá ainda conta de que a presidente aufere cerca de seis mil euros por mês em ordenados e despesas de representação. O marido e o filho de Paula Brito e Costa trabalham na associação e, na reportagem, a presidente aparece num vídeo a dizer que são “os seus olhos e ouvidos” na Raríssimas. “O meu filho é o herdeiro da parada”, afirma Paula Brito e Costa num dos vídeos que passaram na reportagem.

Além da PGR, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, terá também conhecimento de todas as irregularidades na Raríssimas. Segundo a estação de Queluz, que cita uma carta enviada pelo ex-tesoureiro da Raríssimas, Jorge Nunes, em que pedia a intervenção de Vieira da Silva, o ministro já tinha conhecimento das irregularidades nas contas da associação solidária.

Jorge Nunes terá também pedido uma inspeção do Instituto da Segurança Social à Raríssimas em, pelo menos, três cartas datadas de 9 agosto, 15 e 21 de setembro. Todas sem resposta, tanto da parte do Instituto da Segurança social como da tutela.

A primeira reação oficial às irregularidades descobertas pela TVI surgiu no domingo. Em comunicado, o Ministério da Segurança Social disse que vai “avaliar” os factos relatados e que vai agir “em conformidade”.

Relacionadas

Respostas Rápidas: O que precisa saber sobre o caso Raríssimas

Uma reportagem da TVI sobre a gestão da associação Raríssimas está a provocar polémica e já levou à abertura de inquéritos pela Polícia Judiciária e pela Segurança Social. Conheça os factos por detrás da polémica.

Deputado do PSD já não vai tomar posse como vice da Raríssimas

Ricardo Baptista Leite ia assumir funções de vice-presidente da Raríssimas, mas voltou atrás na decisão devido às acusações de má gestão da instituição. Em declarações ao Observador, o deputado afirmou que não existem neste momento condições.

Página de Facebook e site da associação Raríssimas bloqueados

A reportagem da jornalista da TVI Ana Leal, com imagem de Nuno Quá, grafismo de Rui Ribeiro e edição de imagem de João Pedro Ferreira, revelou documentos e testemunhos que põem em causa a gestão da associação por parte da sua presidente.

Raríssimas: Ministro Vieira da Silva conhecia irregularidades desde outubro

O Ministério da Segurança Social disse, em comunicado, que vai “avaliar” os factos relatados e que vai agir “em conformidade”.

Marques Mendes: “Impunha-se mandar fazer já uma inspeção pelo Instituto da Segurança Social à Raríssimas”

O comentador levou neste domingo à SIC os temas da Associação Raríssimas; a ida de Centeno para o Eurogrupo e impacto na política nacional; o debate parlamentar com a ausência das perguntas dos deputados sobre o parecer da PGR pedido por António Costa sobre o julgamento de Manuel Vicente.

Governo vai avaliar a situação da associação Raríssimas e agir em conformidade

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social vai “avaliar a situação” da Raríssimas e “agir em conformidade”, após a denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira e de uso indevido de dinheiros da associação pela sua presidente.
Recomendadas

Premium“Portugal é um país onde ainda compensa ser-se corrupto”

Quem o diz é o presidente da Transparência Internacional Portugal, Nuno Cunha Rolo. Já a deputada socialista Alexandra Leitão lamenta que se coloquem os políticos todos no mesmo saco.

PremiumTdC alerta Açores para deterioração das contas públicas

Tribunal de Contas destaca que só nos dois últimos anos a dívida pública da região aumentou em 572 milhões de euros.

Corrupção. Em menos de onze meses, já há mais 733 novos inquéritos do que na totalidade de 2021

Entre 1 de janeiro e 25 de novembro de 2022, foram registados 3.598 novos inquéritos relativos a crimes de corrupção e criminalidade conexa, aumento considerável face à totalidade do ano de 2021, período em que deram entrada 2.865 inquéritos, revela a Procuradoria Geral da República em comunicado.
Comentários