Raríssimas fez “trabalho notável” e “tem de ser salva”, diz Padre Lino Maia

O presidente da Confederação das Instituições de Solidariedade Solidariedade diz estar chocado com a verbas recebidas pela Raríssimas. A Confederação não recebeu nenhuma queixa e garante que as associadas são escrutinadas.

O padre Lino Maia, presidente da Confederação das Instituições de Solidariedade (CNIS) afirma que a Raríssimas “tem de ser salva” e que já está a tratar do assunto com os associados. Em entrevista à Antena 1, adianta que já foi contactado para assessorar o processo. Para o presidente da CNIS, a Raríssimas é uma instituição “inovadora e com um trabalho notável”.

Lino Maia diz estar”chocado” com os cinco milhões de euros que a Raríssimas recebeu do Estado desde 2012. Explica que deveria ter sido o conselho fiscal a fiscalizar as contas e não a Assembleia Geral. “Parece-me que houve aqui uma falha,” sublinha à rádio pública, vincando que estranha o facto de que não tenha havido denúncia para o presidente da Assembleia Geral.

A CNIS não recebeu nenhuma queixa, garante Lino Maia, que lidera há 11 anos a Confederação – sem poderes de fiscalização, apenas de representação e de aconselhamento – que junta quase três mil associadas, entre elas a Raríssimas.

Lino Maia garante que estas instituições têm escrutínio, acrescentando que no último ano e meio mais de mil instituições foram inspeccionadas, com 46 processos instaurados. “No global estamos num número de cumprimento bastante bom”.

O presidente das CNIS explica que  apenas 5% das IPSS é que os cargos dirigentes são remunerados, mas adianta que “prefere o voluntariado”.

Sobre José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Civil, que foi vice-presidente da Assembleia Geral da Raríssimas, o padre Lino Maia exprime apenas elogios – sem dúvida nenhuma o melhor Ministro com quem trabalhei” enão é pessoa de lavar as mãos e tem uma correcta noção das funções do Estado”.

Relacionadas

Raríssimas: Costa poderá pôr Pedro Marques no lugar de Vieira da Silva

O CM escreve que entre os membros do Governo não está excluída a hipótese de Vieira da Silva se ver forçado a abandonar o cargo de ministro da Segurança Social devido às ligações à Raríssimas.

Raríssimas: Ministério Público investiga desvios de dinheiro da delegação norte

Na entrevista ao programa Sexta às Nove, da RTP, a primeira que concedeu desde que o caso foi denunciado no passado fim de semana pela TVI, Paula Brito e Costa relatou que, mal teve conhecimento da situação, a denunciou ao presidente do conselho fiscal e depois à assembleia-geral, que autorizou uma auditoria da empresa PKF à delegação do norte da associação.

Paula Brito e Costa: “por causa de gambas e dois vestidos não vou fugir”

Em entrevista à RTP, a ex-presidente da associação Raríssimas reage às acusações de má conduta e aponta o dedo a antiga vice.

Raríssimas: Ex-presidente acusa antiga vice de desvio de fundos

Joaquina Teixeira foi afastada da Raríssimas em maio, depois de ter sido realizada uma auditoria à associação. A mesma, originou uma queixa ao Ministério Público, que abriu um inquérito em julho.

Raríssimas: “Há uma falha aqui, que é dos denunciadores à TVI”, defende deputado socialista

João Galamba comentou a polémica em torno da Raríssimas num programa da TSF e questionou o comportamento do tesoureiro que fez a denúncia.
Recomendadas

Censura do Chega a Santos Silva “padece de inconformidade constitucional e regimental”

A iniciativa do Chega que pretende censurar o comportamento do presidente do parlamento, Augusto Santos Silva, “padece de inconformidade constitucional e regimental”, não tendo condições para ser admitida, defende um parecer elaborado pela deputada única do PAN.
Carlos Moedas

Um ano de Carlos Moedas. Oposição lança críticas à liderança do autarca da Câmara de Lisboa

No geral, PS, PCP e BE fazem uma avaliação negativa da liderança do presidente da Câmara Municipal de Lisboa e todos os partidos falam em retrocessos ou más decisões, especialmente no que toca à habitação.

Novo Aeroporto: Montenegro recusa que PSD tenha colaborado com novo adiamento

O presidente do PSD rejeitou hoje que tenha colaborado com “um novo adiamento” do futuro aeroporto ao acordar com o Governo uma Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) que demorará um ano, insistindo que este “não é mais um estudo”.
Comentários