“Uma cabala muito bem feita”. Presidente da Raríssimas demite-se

Paula Brito e Costa deixou a liderança da associação de apoio a pessoas com doenças raras esta terça-feira, três dias depois de serem denunciadas práticas de gestão danosa.

A presidente da associação Raríssimas anunciou esta terça-feira a sua demissão, avançou o semanário Expresso. Paula Brito e Costa deixa a liderança da IPSS três dias depois de uma reportagem da TVI alegar práticas de gestão danosa por Brito e Costa.

Ao Expresso, a agora presidente demissionária afirmou ter sido alvo de “uma cabala muito bem feita”. “A minha presença já está a afetar a instituição e tenho de sair”, afirmou Paula Brito e Costa, ao anunciar a sua demissão.

Paula Brito e Costa vai assim abandonar a presidência da Associação de Deficiências Mentais e Raras Raríssimas segura de que o seu trabalho representa “uma das maiores obras” de Portugal. “Deixo à Justiça o que é da Justiça, aos homens o que é dos homens e ao meu país uma das maiores obras, mas mesmo assim vou saio. Presa só estou às minhas convicções”, disse ao semanário do grupo Impresa.

A presidente da Raríssimas sai três dias depois de a TVI ter denunciado práticas de gestão danosa dos dinheiros públicos que entregues à instituição de solidariedade social. Segundo o Expresso, Paula Brito e Costa já estava a negociar a sua saída com o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, desde segunda-feira.

 

Relacionadas

Antigas governantes dizem que nunca fizeram parte do conselho consultivo da Raríssimas

O conselho consultivo da associação é constituído por Leonor Beleza, enquanto presidente, Maria de Belém Roseira, Fernando Ulrich, Isabel Mota, Pedro Pitta Barros, António Cunha Vaz e Roberto Carneiro, como vogais, entre outros nomes.

Raríssimas: Secretário de Estado da Saúde demite-se

Jornal Público adianta na sua edição online que Manuel Delgado está de saída do Governo.

Respostas Rápidas: O que precisa saber sobre o caso Raríssimas

Uma reportagem da TVI sobre a gestão da associação Raríssimas está a provocar polémica e já levou à abertura de inquéritos pela Polícia Judiciária e pela Segurança Social. Conheça os factos por detrás da polémica.

Ministério do Trabalho pede inspeção urgente à associação Raríssimas

José António Vieira da Silva disse, em conferência de imprensa, que “não é verdade que tenhamos tido conhecimento desta gestão danosa”. Em causa está a reportagem do canal de Queluz que trouxe a público documentos e testemunhos comprometedores sobre o trabalho da presidente da associação Raríssimas.

Vieira da Silva foi vice-presidente da Assembleia-Geral da Raríssimas

José António Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, foi vice-presidente da Assembleia Geral da Raríssimas, entre 2013 e 2015.

Deputado do PSD já não vai tomar posse como vice da Raríssimas

Ricardo Baptista Leite ia assumir funções de vice-presidente da Raríssimas, mas voltou atrás na decisão devido às acusações de má gestão da instituição. Em declarações ao Observador, o deputado afirmou que não existem neste momento condições.

Raríssimas é alvo de investigação do Ministério Público desde novembro

A primeira reação oficial às irregularidades descobertas pela TVI surgiu no domingo. Em comunicado, o Ministério da Segurança Social comunicou que vai “avaliar” os factos relatados e que vai agir “em conformidade”.
Recomendadas

Proteção Civil avisa para cheias e inundações no sul do país até segunda-feira

Para segunda-feira, as previsões são de “períodos de chuva ou aguaceiros, mais frequentes e intensos na região Sul, com possibilidade de ocorrência de trovoada” e “vento fraco a moderado (até 30 km/h) do quadrante leste, sendo moderado a forte (30 a 40 km/h) do quadrante sul na região Sul até ao meio tarde, e nas terras altas, com rajadas até 70 km/h”.

Covid-19. França não descarta regresso da máscara e apela à vacinação

O ministro francês da Saúde, François Braun, garantiu este domingo não descartar o regresso da obrigatoriedade do uso de máscara, face ao aumento do número de infetados por Covid-19, e apelou à vacinação.

Associação Zero: Legislação de proteção dos solos está “na gaveta” há sete anos

De acordo com a nota de imprensa, um estudo da Agência Portuguesa do Ambiente, de 2017, concluiu que o país “ganharia cerca de 25 milhões de euros em seis anos, em resultado da publicação do ProSolos, aos quais se acrescentariam ganhos ambientais e na saúde pública”.
Comentários