Rating: Juros da dívida renovam mínimos depois de ‘upgrade’ da Fitch

Apesar da subida do ‘rating’ pela agência de notação financeira já ser esperada, os mercados reagem esta manhã positivamente. Os juros da dívida a 10 anos tocaram os 1,72%.

Reinhard Krause/Reuters

A subida do rating português pela Fitch levou na manhã desta segunda-feira os juros da dívida benchmark a renovar mínimos. Apesar de a decisão de fazer o upgrade da notação em dois escalões, para BBB com outlook estável, anunciada na sexta-feira, já estar a ser incorporada pelos investidores, Portugal está a beneficiar do reforço da confiança.

As yields das obrigações do Tesouro a 10 anos abriram a negociar nos 1,8% no mercado secundário e caíram para um mínimo de 1,72%, o valor mais baixo desde abril de 2015.

Os analistas consultados pelo Jornal Económico partilham da visão que o upgrade pela Fitch vai continuar a levar Portugal a pagar menos juros tanto em mercado secundário como em novas emissões. “Uma melhoria do rating pode ajudar a dar folga por via de uma baixa adicional dos juros a pagar em 2018 (novas emissões de Obrigações do Tesouro e Bilhetes do Tesouro)”, afirmou Filipe Garcia, economista e presidente da IMF – Informação de Mercados Financeiros.

A principal vantagem apontada pelos analistas é que o upgrade pela agência Fitch vai permitir alargar a base de investidores internacionais. Entre os principais fundos de investimento em dívida do mundo, os critérios diferem, mas a tendência é de beneficiar investimentos de baixo risco. Para isso, limitam a compra a títulos de dívida avaliados em grau de investimento pelas agências de rating.

“Se há aproximadamente três meses, a classificação como investimento da dívida por parte da Standard&Poor’s fez regressar Portugal ao radar dos maiores fundos de investimento tanto particulares como soberanos, a atual situação irá aumentar tanto a visibilidade como de facto a inclusão da dívida em muitos desses mesmos fundos”, explicou José Lagarto, head of research da Orey iTrade.

Além da entrada nestes índices alargar o acesso a novos investidores, Lagarto refere que “o tipo de investimento feito poderá sofrer alterações substanciais, com estes novos investidores, na sua grande maioria, a planear investimentos superiores a 10 anos”, o que influencia as dinâmicas de gestão da dívida.

Como os custos de financiamento das empresas e dos bancos estão correlacionados com os custos de financiamento do Estado, a melhoria do rating favorece também as condições de financiamento das empresas portuguesas e da banca.

Relacionadas

Fitch tira Portugal do nível de ‘lixo’ e sobe dois escalões no ‘rating’

Tal como esperado, a Fitch seguiu os passos da Standard and Poor’s e subiu o ‘rating’ da República para grau de investimento. Das quatro principais agências de notação, a Fitch passou assim a atribuir a melhor classificação, justificando a subida principalmente com a tendência de queda da dívida.

Governo salienta que subida de rating em dois escalões é inédita

“Esta classificação reflete o trajeto de controlo da despesa pública e de melhoria da balança corrente. É o reconhecimento das opções de política económica do Governo português”, afirmou o ministro das Finanças, Mário Centeno.

Moody’s: “O peso da dívida vai iniciar uma queda sustentada após 2017”

O vice-presidente da Moody’s, Evan Wohlmann, está confiante que Portugal vai manter um défice abaixo de 3%, beneficiando do crescimento económico, mas aponta riscos à consolidação orçamental.
Recomendadas

Energia empurra PSI para o ‘vermelho’. Europa perde terreno no início da semana

As principais praças europeias estão todas a negociar em terreno negativo, com França a liderar as perdas. Lisboa recua na linha d’água, a perder 0,04%, e é a que menos desvaloriza.

JE Bom dia. Alemanha divulga inflação de janeiro. Mercado atento às declarações do presidente da Fed

Do outro lado do Atlântico, o mercado vai estar atento às declarações do Presidente da Reserva Federal, que discursa esta segunda-feira, dias depois de a Fed ter reduzido pela segunda vez consecutiva o ritmo de subida das taxas de juro em 25 pontos base.

Topo da Agenda. O que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

As atenções estão viradas para o consumidor esta semana, que arranca com indicadores de confiança e termina com novos dados da inflação por parte do INE. Lá fora, alguns bancos centrais voltam à mesa de trabalhos para decidir sobre novas subidas das taxas de juro. A semana reserva ainda os resultados de alguns nomes pesados de Wall Street.
Comentários