Rauva diz que mais de 5 mil trabalhadores independentes e empresas estão descontentes com o processo de abertura de contas

O mesmo estudo revela que “dois em cada três dos inquiridos afirmam que não é fácil abrir uma conta bancária em Portugal e cerca de metade espera mais do que um dia para a conta estar disponível”.

A Rauva, a app bancária e financeira para PMEs e trabalhadores independentes que será lançada em breve, fez um survey aos empreendedores inscritos na sua “lista de espera” composta por mais de 5.000 trabalhadores independentes e empresas. Nele conclui que os empreendedores portugueses estão à procura de novas soluções bancárias.

O lançamento da Rauva está planeado para abril de 2023 e pretende ajudar trabalhadores independentes e donos de pequenas e micro empresas em todo o processo de gestão de negócio, incluindo criação de empresa/abertura de atividade, serviços bancários mobile, contabilidade e crédito.

“Dois em cada três empreendedores revelam dificuldades em abrir uma conta bancária empresarial. Mais de 5.000 trabalhadores independentes e empresas inscritos na lista de espera da Rauva – uma app bancária a ser lançada em breve em Portugal – expressaram descontentamento com o processo de abertura de contas bancárias empresariais”, lê-se no comunicado.

O mesmo estudo revela que “dois em cada três dos inquiridos afirmam que não é fácil abrir uma conta bancária em Portugal e cerca de metade espera mais do que um dia para a conta estar disponível”.

Segundo os dados do Banco Central Europeu, para 20% das PMEs na Europa o acesso ao financiamento é um dos maiores problemas para os pequenos empreendedores. Os mesmos dados mostram que 20% não conseguem aprovação aos empréstimos pedidos.

“André Pereira, dono da pequena empresa 2Count – uma empresa de contabilidade inscrita na lista de espera da Rauva – diz que um dos maiores problemas que nós (empreendedores) enfrentamos é o nível elevado de burocracia e o tempo perdido a abrir contas em bancos convencionais. Esperamos que os bancos sejam uma comodidade, que tornem a nossa vida mais fácil, no entanto, se for preciso, acabamos por ficar semanas à espera para sequer termos possibilidade de começar o nosso negócio”, refere o comunicado.

Jon Fath, CEO e Cofundador da Rauva, diz no comunicado que “nos dias-de-hoje, não há opções viáveis para abrir uma conta de empresa digitalmente. A única opção é ir presencialmente aos bancos, preencher a papelada e esperar o tempo necessário. É aqui que começam as dificuldades para os empreendedores”.

“As múltiplas plataformas financeiras, o trabalho administrativo, os sistemas complexos que devem estar em conformidade com a lei”, acrescenta Fath.

O papel da Rauva é centralizar tudo numa só app pela primeira vez. O primeiro passo? Abrir uma conta bancária em 5 minutos. As pequenas empresas representam 99% do total de empresas em Portugal e a nossa missão é tornar o empreendedorismo acessível para todos e ter um papel ativo na economia portuguesa”, conclui.

Meghan Johnson, Head of Product da Rauva e fundadora de outras fintechs, afirma no mesmo comunicado que “vivi pessoalmente a dor de viver e trabalhar em Portugal como empreendedora. Fiquei abismada ao ver o desfasamento substancial entre os países do norte e do sul da Europa, no que diz respeito aos serviços bancários digitais oferecidos às PMEs e aos freelancers. A disrupção no espaço Fintech em Portugal há muito que se fazia esperar. A nossa lista de espera de rápido crescimento mostra fome por uma solução”.

A equipa da Rauva é constituída por especialistas em fintech e ex-fundadores da Bunq, Wise, Penta, Solaris, Vybe e alt.bank.

A lista de espera de Rauva já tem mais de 5.000 inscrições e está a crescer. Mais de 15.000 são esperadas até ao início de 2023.

Recomendadas

Maiores bancos espanhóis preparam-se para contestar taxa sobre lucros “caídos do céu”

Os bancos espanhóis vão avançar com uma ação legal contra a contribuição sobre os lucros inesperados, de acordo com fontes próximas dessas instituições. Em Portugal, a medida não se aplica à banca. Antes, é exigida às empresas do sector da energia e da distribuição alimentar.

“Em Portugal os mediadores representam 86% da produção na Liberty”, diz responsável por Portugal e Irlanda

“Só para ter uma ideia da nossa atual trajetória, a janeiro de 2023 estamos a crescer mais de 50% em novo negócio Automóvel – tudo porque nos antecipámos ao mercado e prevemos que este seja um ano onde a Liberty vai colher os frutos das sementes entretanto lançadas em 2022 e com isso preparar o crescimento sustentado”, diz Rita Almeida em entrevista.

Quase 11 mil notas falsas apreendidas em Portugal no último ano

O número de notas falsas apreendidas em Portugal caiu 1% em 2022 face ao ano anterior. Nota de dez euros foi a mais frequente entre as retiradas de circulação, revela o Banco de Portugal.
Comentários