Real Vida Seguros concretiza aquisição de Finibanco Vida e BANIF Pensões

Ativos sob gestão superam 500 milhões de euros com a integração de todas as instituições. A Real Vida é detida pela Patris.

Real Vida Seguros concretizou a aquisição de Finibanco Vida e Banif Pensões e anunciou no último dia do ano.

Gonçalo Pereira Coutinho, presidente da holding que detém a Real Vida, durante a sessão apresentação da admissão da Patris Investimentos no Alternext, mercado não regulamentado da Euronext, tinha referido que “já foram assinados os contratos de compra de duas unidades, uma é a Finibanco Vida, do grupo Montepio, a outra é a Banif Pensões”.

Não foram avançados os valores dos negócios.

A Finibanco Vida foi comprada à Associação Mutualista.

“No âmbito do seu projecto estratégico de crescimento e afirmação como seguradora vida de referência em Portugal, finalizou esta semana a aquisição de 100% do capital da Finibanco Vida e da quase totalidade do capital social da Banif Pensões – Sociedade Gestora de Fundos de Pensões”, anuncia a empresa em comunicado.

A Real Vida Seguros, na qual estas duas sociedades se vão fundir, passa a deter activos superiores a 300 milhões de euros e a gerir mais de 300 milhões de euros de fundos de pensões, ficando com mais de 4 mil milhões de euros em créditos titularizados.

Além da Real Vida Seguros, a Patris Investimentos detém a Fincor Corretora, a Patris Gestão de Activos e a Patris Sociedade Gestora de Fundos de Titularização de Créditos. Tem também participações fora do sector financeiro, como uma participação na Controlauto, entidade que faz inspecções automóveis.

(Actualizada)

Recomendadas

IGCP realiza na quarta-feira leilões de dívida a três e nove anos de até 1.000 milhões de euros

O IGCP anunciou hoje que vai realizar em 12 de outubro dois leilões de Obrigações do Tesouro (OT) a três e nove anos com montante indicativo entre 750 e 1.000 milhões de euros.

Credit Suisse recompra dívida própria no montante de 3 mil milhões

O Credit Suisse anunciou que irá comprar 3 mil milhões de francos suíços (3.094 milhões de euros) de dívida própria até meados de novembro. Entretanto a agência de rating Moody’s prevê que o Credit Suisse vai fechar este ano com prejuízos de 3 mil milhões de dólares o que pressionará o seu rácio de capital CET1.

PremiumCaixaBI põe a mira nas PME para fusões e aquisições

A instabilidade na economia e nos mercados traz riscos, mas também oportunidades, abrindo a porta a mais fusões e aquisições. Esta é a visão do CaixaBI, que está a abordar empresas nacionais mais pequenas que queiram crescer cá dentro ou lá fora.
Comentários